conseguimos!

Vi, há pouco, um telejornal. Daqueles que nos enchem de medo, de angústia, mas que não resistimos a ver para ver até onde chega a ignomínia, a rapacidade, a barbárie neste antigo império agora colonizado por alemães, chineses, americanos, angolanos, bem-vindo seja quem vier por bem.

Para não variar, avançava-se do norte para o sul, do interior para o litoral, noticiando-se o encerramento de mais empresas, o despedimento de mais trabalhadores, a desgraça à beira-mar plantada.

Mas, de repente, com toda a pompa e circunstância, oiço a pivô dizer que nem tudo é mau, que uma empresa estrangeira tinha decidido instalar-se em Portugal e que ia empregar cerca de 1.500 pessoas.

Fiquei contente, palavra de honra que fiquei, mas foi sol de pouca dura ou não fosse este o Outono do nosso descontentamento. Afinal, a empresa que se quer instalar em Portugal, é um call center. Porque já não é preciso transferir este tipo de actividade para a Índia, ou para o Brasil, ou para qualquer outro país onde se paguem salários equivalentes a esmolas.

Agora, podemos ter jovens licenciados a fazer esse trabalho em Portugal. Por tuta-e-meia.

Meus filhos, querem um conselho de quem já viveu muito, viu muito e sofreu outro tanto com a abjecção humana? Fujam. Emigrem. Enquanto é tempo. Não aceitem esmolas, nem oportunidades destas, são presentes envenenados. Vocês merecem mais. E o país, definitivamente, não vos merece.

Comentários

Anónimo disse…
Verdade. Eu também vi e pensei exactamente o mesmo. Ainda me revolta mais depois de ter visto uma reportagem sobre os ditos call centers. Dão chocolates aos operadores quando atingem uma determinada meta?! Deixam-os jogar um bocadinho na wii quando cumprem um objectivo?! Gozam literalmente com as pessoas, que sem saída, têm que se sujeitar a ser enxuvalhados. Não tem mal nenhuma trabalhar num call center, o mal é a forma como enxuvalham as pessoas, muitas delas com idade para não estarem sujeitas a criancices dessas, outras mais jovens, mas com qualificações a mais para estarem a receber o salario minimo de sorriso na cara. Enfim... foi degradante. Infelizmente, a maioria dos anuncios de emprego são esses, camuflados com nomes agora mais pomposos, mas mais do mesmo. Tenho 38 anos, tenho emprego, e cada dia que passa vejo mais perto a oportunidade de sair deste país, era renitente qt á emigração, mas já não sou, sinto que ou é agora, ou vou acabar por morrer aqui, a ser sugada pelos abutres, a ser enxuvalhada e qq dia sujeita a receber um kit-kat em vez de um salário, mas ficarei toda contente porque se for profissional, posso receber não 1 kit-kat mas sim 2 kit-kats, enquanto os meus colegas me olham de soslaio... cheios de inveja do meu premio. Triste. Muito triste ao ponto que chegou esta europa, os paises, as pessoas, o mundo... muito triste mesmo.