mãos ao ar, está a ser assaltado!


Estamos a ser roubados, essa é que é a verdade, não poupemos as palavras, não está tempo para isso. Com toda a desfaçatez (já para não falar na imoralidade e falta de sensibilidade) o governo, cada vez mais descaradamente, "desvia" dinheiro do trabalho para o capital. Não que eu tenha alguma coisa contra os patrões, aqueles que ganham a vida honradamente, que dão trabalho, que tratam e recompensam os seus trabalhadores com justiça e com respeito, mas não é desses que reza esta história. Estamos a ser roubados e mais seremos se nada fizermos, se continuarmos placidamente à espera que a crise passe e que o governo caia de maduro.

Sei que muitos, cuja única acção política é votar, e mal, de 4 em 4 anos, encaram esta manifestação com desdém, afirmando que para nada servirá. Sei que outros o que gostariam era de ir para as ruas partir montras, incendiar carros, apedrejar polícias, incendiar (sim, já o li) a Assembleia. Eu prefiro ir à manifestação, tão pacificamente quanto possível. É um embrião de esperança, uma demonstração de descontentamento, um desmentido a Vítor Gaspar que, ainda hoje, afirma no DN, categórica, imbecilmente, que "os portugueses estão dispostos a fazer sacrifícios".

Eu não estou pelos ajustes. Não quero ser roubado enquanto outros se pavoneiam com cada vez mais dinheiro, o dinheiro que nos é extorquido. A isso chama-se roubo e eu não gosto, mas não gosto mesmo nada, de ser roubado. 

Faça como eu. Vá à manif de Sábado mas, antes, ajude a divulgá-la. Imprima o folheto e distribua-o. Imprima o cartaz e cole-o (com fita gomada, respeite o património) em postes, portas, paredes, montras. Estão aqui:

Para informações e cartazes de outras localidades para além de Lisboa, comece por pesquisar aqui:

Temos que mostrar que não somos carneiros a caminho do matadouro.

Comentários