04/03/17

chewing gum


De Vasco Gargalo, publicado em http://www.cartoonmovement.com/

o filho de putin


O homúnculo investe como o toiro tresmalhado que é contra a imprensa que lhe desmascara as maroscas, contra quem não lhe apara as golpadas, contra mais de metade do povo americano, porque quem não está com ele está definitivamente contra ele.

A gente sabe a história do homúnculo, a forma como se habituou a atacar quem o ataca com 100 vezes mais força. É esta a sua estratégia desde sempre. Mas o homúnculo tem outra: sair-se com tiradas no mínimo escandalosas para desviar as atenções dos seus crimes reais.

Perante a suspeita de que terá contado com uma mãozinha de Putin para ganhar as eleições, que faz o homúnculo? Acusa Obama de, à boa maneira de Watergate, ter mandado colocar escutas no seu sacrossanto quartel-general, a Trump Tower.

Que isto não vai acabar bem, já todos percebemos. Só falta saber quem será a vítima, se ele, se nós.


02/03/17

temos presidente!



O homenzinho tem uma qualquer maleita do foro psicológico. Ou neurológico. Ou escatológico. Lógico. Certo como três e dois serem cinco. Mas foi ao Congresso orar de alto e de repuxo e eis que imprensa e público embandeiraram em arco. Parabólico. Paranóico. Que presidencial foi, o homenzinho! Que siso para tão pouco riso! Temos presidente, clamaram em uníssono. Como se o tolinho da Casa Branca fosse criatura de levar a sério. Como se as palavras que profere cloaca fora fossem sentidas ou sinceras. O presidente demente mente. Mente muito, mente sempre e os actos desmentem-lhe os sons que emite pela boquinha de ânus amuado. Cada decisão sua é um atentado à decência, à preservação dos valores humanos, um a um sem qualquer excepção. O seu séquito é aquele que é, criminosos de guerra, fascistas, racistas, supremacistas, terroristas, senhores do petróleo e da alta finança atolados até ao alto do cocuruto em multimilionárias esterqueiras. Merdanqueiras.

Há que fazer orelhas moucas a palavras ocas. E loucas. Mais do que atentar ao que ele diz, há que vigiar o que ele faz. Seguir-lhe cada passo. Esmiuçar-lhe cada documento que assina. Condenar-lhe o passado e o presente.

Para que possamos ter futuro.