31/05/13

fujam! fujam! vem aí o palhaço!






assalto ao banco



A sede do Banco Central Europeu, em Frankfurt, esteve hoje cercada por milhares de manifestantes em protesto contra a austeridade. Já nem as terras de Merkel são poupadas à indignação. Isto vai aquecer, digo-vos eu.


Imagens: http://rt.com

os milhões do comendador vassilis

Vassilis Papageorgopoulos, um autarca da direita grega, abotoou-se com 17 milhões de euros e foi agora condenado a prisão perpétua. Pena que não tenha pedido asilo político a Portugal. Estava safo e sempre eram uns carcanhóis que entravam no País, para pagar aos advogados (temos grandes especialistas na defesa de políticos corruptos) e para a mansão na Quinta do Lago ou da Marinha. 

Suplico a quem de direito - e conhecendo-o como conheço sei que vou ser atendido - que lhe envie, ao Vassilis, uma comenda pelo 10 de Junho. 

o mundo está perdido

Ai se a minha tia Balbina  - que idolatrava Salazar e vivia agarrada às saias da padraria - fosse viva e visse o que eu vi: manifestantes a expulsar a polícia em vez da polícia a expulsar manifestantes! Onde é que já se viu isto? O mundo está perdido, de pernas para o ar, em cuecas, de ceroulas, de pantanas, já não há ordem nem respeitinho pela autoridade, o que faz falta é um safanão a tempo, no meu tempo era Tarrafal com eles e não se falava mais nisso. O Pedro, coitadinho, é um fracalhote, vê-se logo com aquela carinha de manequim dos Fanqueiros, o Salazar faz cá muita falta, esse sim tinha-os no sítio, temente a Deus como poucos, o santinho,  desses já não se fabricam, agora estamos entregues à bicharada, aos comunistas, à pretalhada, aos terroristas e ao lobby da maricada. Jesus, meu Jesus, porque lhes perdoais?

Nota: as imagens são de ontem. No País Basco.



rondo alla turca

Imagens enternecedoras que nos chegam da Turquia. A ternura da polícia em defesa dos seus cidadãos e da democracia.






os alemães sabem da poda


lá estarei!


sampaio da nóvoa no encontro contra a austeridade

os diabos estão contentes


Fernando Ulrich, o banqueiro tresloucado, exige ao governo que ajude não só as PMEs, mas também as grandes empresas, coitadas. Passos Coelho diz que, se os funcionários públicos vão ser despedidos, a culpa é do Tribunal Constitucional, essa instituição inútil de esquerdistas de toga. Gaspar quer fazer, dos portugueses, bufos e fiscais do fisco e, para isso, oferece-lhes alvíssaras, pagas através de benefícios fiscais (até 250 euros por ano, menos de 21 euros por mês, um maná). A dívida sobe, o défice aumenta, o desemprego atinge números aterrorizadores. José Castelo Branco, entre ademanes, rebolanços e saracoteios, é a grande atracção da SIC pelos domingos à noite, para gáudio da populaça sedenta de pão, circo e drogas duras, que nos anestesiem de vez. O Teatro Aberto pode fechar as portas já em Junho e a Cornucópia, a Comuna, o Teatro Experimental de Cascais e a Seiva Trupe também estão na calha. A esmoler Isabel Jonet vai ser a "anfitriã" do 10 de Junho a convite de Cavaco Silva, o presidente que, de palhaço, nada tem, muito menos dúvidas ou dívidas, não sei se estão a ver onde quero chegar. Os salários baixam à medida que aumentam a pobreza, os suicídios e a caridadezinha, não esquecer a caridadezinha, o conforto das almas penadas, cristãs de orelhas moucas aos ensinamentos de Cristo. Os reformados que recebem acima de 500 euros são ricos e, como tal, serão punidos, expropriados das fortunas ilegalmente adquiridas.

Os diabos estão contentes, atiçam fogueiras em autos-de-fé, vão-nos à carniça, ao bolso, à vida. Já não se aguenta tanto corno, tanto enxofre, tanta forquilha a rasgar-nos o lombo, a retalhar-nos a dignidade.

30/05/13

não batam no gasparinho

Imagem: http://henricartoon.blogs.sapo.pt/

faça-nos esse favor, papa francisco!

Imagem: http://wehavekaosinthegarden.blogspot.pt/

(en)cantos de lisboa




queriam um presidente? chapéu!


a caminho do paraíso


Estou contente. Palavra de honra. Ufano e aliviado, benza-me deus. Disse Manuel Pinto de Abreu, um desses secretários de Estado que nos sairam na tômbola eleitoral, que o leito do mar português vale 1 bilião de euros. Leu bem: 1 bilião daquelas moedinhas que o fisco tanto gosta de nos confiscar, uma por uma, porque se isto não for lá com taxas e impostos irá com multas, coimas, emolumentos, juros de mora e outros castigos purificadores. 

O que eu não percebo, mas pode dar-se o caso de ser mais esperto do que eles, é porque é que o governo ainda não privatizou o mar  (o que é que o António Borges anda a fazer? A dormir na forma?). Até podia ser, dou de barato, por metade do bilião. Dava para pagar a dívida e ainda sobrava um ror de maçaroca para repartir pelos amigalhaços do costume. Postos, que eles não são parvos, no bom recato das off-shores.

Claro que governo que se preze, e este preza-se de o ser, ainda para mais patriótico como nunca houve outro em Portugal, não deixaria de insistir, sem dó nem piedade, na resolução dos nossos "problemas estruturais" e no "reajustamento" da economia. Há que, caramba!, meter os portugueses nos eixos. Há que desalentar os jovens e martirizar os velhos. Despedir os calaceiros. Esmifrar quem andou a viver "acima das suas possibilidades". Exterminar esse inconcebível luxo que é o Estado Social, responsável por todos os males do  País (que digo eu? Da Europa!). Empobrecer mais e mais este povo pária, madraço, desorganizado e desordeiro que habita Portugal.

Enfrentemos os mares. Saqueemos. Pirateemos. Afundemos o país enquanto é tempo. O paraíso está já à vista, ali ao virar da esquina.

28/05/13

pinto solta a franga


Pinto foi um galarote ontem no Prós e Contras. Pinto pode estar contra a adopção por homossexuais, contra o "lobby gay", contra tudo aquilo que muito bem entender, está no seu direito. Mas nunca poderá ser, até pelo cargo que ocupa, um arruaceiro, insultuoso e rufia, interrompendo aos berros os opositores ao mesmo tempo que os acusa de não o deixarem falar a ele. Trauliteiro e trapaceiro. Tinha-o em melhor conta.

26/05/13

o elogio da loucura


Por Ricardo Araújo Pereira

Quando, como acontece agora, o mundo está todo ao contrário, a voz da razão é a dos idiotas. Como é evidente, estes são tempos gloriosos para mim. Que o mundo está de pernas para o ar, julgo que ninguém contesta: despedir em massa é coragem, roubar salários e pensões passa por sensatez, insistir em medidas que comprovadamente não resultam é determinação, falhar todas as previsões revela competência. O Governo tenta legislar, violando a lei. Um comentador convoca o Conselho de Estado e o Presidente confirma. Parte do Governo propõe uma coisa à sexta-feira e outra parte propõe o contrário ao domingo. Um ministro aceita uma medida que tinha considerado absolutamente inaceitável. O Governo apresenta a medida mas, em princípio, não quer aplicá-la.

Tendo em conta que, por defeito profissional, prefiro o caos à ordem, a loucura à sensatez e o absurdo à lógica, vejo-me obrigado a apoiar o Governo - muito contra a minha vontade. O cuidado que Paulo Portas tem posto em delimitar limites que não devem ser ultrapassados para depois os ultrapassar é, para mim, admirável. As suas palavras exactas foram: "Num país em que grande parte da pobreza está nos mais velhos e em que há avós a ajudar os filhos e a cuidar dos netos, (...) creio que é a fronteira que não posso deixar passar." Poucos dias depois, passava a fronteira. Mais ou menos clandestinamente, porque se recusava a admitir que tinha passado a fronteira, mas passava. Passava a fronteira a salto, como antigamente. E acaba por ser estranho que um homem que é ministro dos Negócios Estrangeiros tenha tantas dificuldades em guardar as fronteiras. Julgo que se criou um espaço Schengen nas fronteiras que Paulo Portas impôs à austeridade grotesca: as medidas passam todas. Há liberdade de circulação de medidas recessivas nas fronteiras de Portas.

Por outro lado, as fronteiras de Paulo Portas eram tão ideológicas quanto morais. Era a consciência do democrata-cristão que não podia deixar passar os cortes nas reformas. Ou seja, nem o facto de ter deixado passar uma medida que, se alguém descobrir, não se sabe bem como, um modo de gerar poupança idêntica, não será aplicada, o redime. Porque um cristão não peca apenas por actos. Também peca por palavras e pensamentos. Esta medida pode nunca chegar a ser um acto, mas já é composta de palavras, e exprime um pensamento - embora enjeitado. O CDS já pecou, quer queira quer não. A expiação, em princípio, faz-se no confessionário e nas urnas. E o número de votos é capaz de ser inversamente proporcional ao número de padres nossos que Paulo Portas vai ter de rezar.

saudades de salazar











por favor, não insultem o batatinha


Não, ele não é palhaço. Juro. Pelas alminhas e por Nossa Senhora de Fátima de que a Maria tanto gosta. Não, ele não deu uma mãozinha (e sabe-se lá o quê mais) a Duarte Lima, a Oliveira e Costa, a Dias Loureiro e a toda uma geração de cavaquinhos desafinados. Não, ele não é o presidente com a pior popularidade de sempre em tempos de democracia. Não, ele não custa ao erário público português mais do que D. Juan Carlos y sus muchachos ao Estado espanhol. 

Quando fala, fala bem, com coerência e isenção, acerto e determinação. Queixa-se das parcas reformas e queixa-se com razão. Disserta sobre vacas e sorrisos bovinos e todo o país se embevece e lacrimeja de comoção. Alerta para os microfones escondidos em Belém e eis que o povo se levanta num só frémito de indignação. Tem servido o país desinteressadamente, as coisas que se dizem dele, da Coelha ao BPN, são invejas sórdidas de um povoléu mesquinho, cães que mordem a mão de quem lhes dá de comer.

Ainda que me dessem muito jeito três anos de cama, mesa e roupa lavada, com serventia de águas quentes e frias, tudo à borla, nunca chegaria, nem de perto nem de longe, aos calcanhares dos que viveram, vivem e viverão à conta de um Estado perdulário para uns poucos e forreta para milhões..

Por isso aqui digo e repito: não é palhaço. Juro. Pelas alminhas e por Nossa Senhora de Fátima. Não insultem o Croquete. E muito menos o Batatinha.

Imagem: http://wehavekaosinthegarden.blogspot.pt/