20/11/10

O mundo é um lugar estranho


agora em slideshow, o grande êxito da temporada!

A GRANDE COLECÇÃO PRIMAVERA-VERÃO 2011 agora em nova versão revista e tolamente actualizada. Veja veja que o seu ver tem graça:



não é só por cá que estas coisas acontecem


se tiver um namorado assim, faça o favor de o rifar


grande revelação: barack obama já cá tinha estado há 2 anos!


é nossa!


a função social da publicidade


19/11/10

uma obra-prima!


quem anda à chuva canta!

Nova versão do Singin' in the Rain. Gira à brava!


eu até sou danado para a maroteira mas isto, meus amigos, é pateta e é patético!


imagens chocantes de um mundo imundo!

Isto passa-se num país ao que se diz civilizado: a Dinamarca. Todos os anos, os rapazolas das ilhas Feroe celebram a chegada à idade adulta, e atestam a sua virilidade, chacinando centenas de golfinhos. E fazem-no com extremos de crueldade, de forma a que os animais agonizem lentamente. Assim a tortura dura mais tempo e a cáfila goza e galvaniza-se ainda mais!

Depois da cerimónia, ritual, barbárie, festim de assassinos, chamem-lhe o que quiserem mas não menos do que isto, voltam para casa ufanos, com a certeza de que já são homens!

já cheira a natal!


18/11/10

nem antónio vieira se sairia com tão imaculado sermão

Mesmo que por interposta pessoa, só lhe dou bons conselhos.

o mundo está cada vez mais parecido com sing sing

Sempre que andar pela rua, vá compostinho. Não tire símios do nariz, não lance olhos de carneiro mal morto à vizinha do lado, não imite ornatos bovinos com dois dos seus dedos espetados para o firmamento, não se enfie num descampado para, qual suíno, aliviar um dos seus aparelhos mais íntimos (os intestinos, urge esclarecer), não entre em antros mal afamados como uma gatinha com cio, não se comporte como um urso caso lhe batam no carro, está bom de ver que a culpa não é sua mesmo que vá bêbedo que nem um cacho de uva trincadeira. Quando menos se espera, há uma câmara do Google Street View a espiolhar-lhe os movimentos para, de uma vez por todas, sem apelo nem agravo, lhe dar cabo da reputação que tanto lhe tem custado a manter sem o mais leve resquício de mácula. Vá por mim que vai bem.

Clique e espreite.

o que seria de portugal sem engenheiros

Sem engenheiros aeronáuticos

Sem engenheiros informáticos

Sem engenheiros de telecomunicações

Sem engenheiros civis

Sem engenheiros mecânicos

 Mas clique para ver o que aconteceria a Portugal sem ...

última hora: falso alarme na cimeira

vou trabalhar nesta empresa para rir o dia todo e ainda me pagarem por cima

O senhor entrevistador é menos inteligente do que um smartphone mas uma das poucas células cinzentas que me restam, nesta estonteante cabecinha, diz-me que eu ainda o sou menos. Quero um botão no meu smartphone para tomar um banho quando me sentir sebenta. Outro que me deixe falar cachorrês com os meus cães sempre que me derem as saudades.

E mais não digo quando não estrago-lhe o prazer de assistir, com os olhos arremelgados e a boca escancarada, a este vídeo edificante. Só visto, contado ninguém acredita!


ó p'ra mim a cantar tão bem!



porque é natal: ideia original para senhoras de bom gosto

Já pensou no que vai oferecer este ano à sua cara-metade, ao seu fofinho, ao seu mais-que-tudo, queriducho, doce, 'mor, seja qual for o epíteto suburbano que lhe vem à moleirinha sempre que a paixão a devora, por dentro e por fora, com a mesma voracidade com que a traça vai ao seu negligé mais atrevido e o põe mais atrevido ainda? Pois bem. Eu fiz um verdadeiro achado. Clique e veja com os seus próprios olhos. Clique e veja como sou seu amigo. Só me falta ir às compras por si. E pagar, já agora.

logos marados

qual torre eiffel, qual estátua da liberdade, qual colosso de rodes, qual quê!

Casteller from Mike Randolph on Vimeo.

os homens não se medem aos palmos, e os gatos ainda menos



sem desprimor para as genuínas, esta é a melhor ama que um bebé pode ter

Clique e depenique

com talco cheira melhor


17/11/10

até eu chorei a ver isto e não é nada comigo

e o coroa sou eu?

Se a realeza a tem, eu também posso ter que não sou menos do que suas altezas. Façam-me vénias, toquem trombetas, tragam-me o trono, o manto, o ceptro!




toda a gente sabe, e se não sabe devia saber, que manter um jardim exótico sai caro como o caraças!

Ainda não tinha aqui falado do Jardim à beira Madeira enraizado há anos e anos, sem que ninguém lhe trate da poda. Mais vale tarde do que nunca, e se me lembrei da criatura foi porque o Miguel Sousa Tavares, com graça e verve tais que nem aos calcanhares lhe chego, foi-se (e não foice, antes fosse) ao horto da Madeira na sua habitual coluna do Expresso cuja leitura, se ainda não o fez, lhe recomendo vivamente.

Já é tempo de um hortelão com tomates se ir ao viridário e o arrancar do seu canteiro eterno, e quando digo arrancar digo desflorestar, desenraizar, desarreigar, extirpar, extrair, desenramar, desmatar e por aí fora, até que não sobre nem courela nem erva. Daninha.

À laia de remate decorativo, por aqui vos deixo ficar algumas fotografias do farfalhudo vergel. É sempre um prazer desfrutar de tão idílica visão do paraíso, não acham?

Não, não precisam de me agradecer.











Deixa-o ficar nas calças

Bem vê, com um título destes (que traduzi do inglês com os dotes de tradutor que qualquer um me reconhece), a coisa tem mesmo que ficar escondida, não tive coragem nem sequer para a colocar noutra página como é meu uso e costume. Toque em baixo, com jeitinho para não dar cabo do endereço, ou então copie-o. Depois, fique-se a enxergar com volumosa satisfação, sem ponta de censura e muito menos ponta de pecado, o que não seria nem bom nem original, os altos trinados de uma donzela cantadeira com desconcertos lúbricos que só visto, contado ninguém acredita. E, aposto, vai gostar tanto que não lhe vai sair da cabeça. A única que tem, criatura brejeira, danada para a brincadeira!

http://FunnyOrDie.com/m/4vxe

o gajo estava a pedi-las

Uma canção a satirizar Mel Gibson e as bocas politicamente menos do que correctas da criatura.


até apetece ir lá abanar o capacete!


oh quinzinho, vai chamar o teu irmão para vir almoçar!

epic fail photos - knock-knock-fail gif

hardcore XXXXXXXXXXXX

Caro amigo, passante, vagante, o que for, qualquer dia, já faltou mais, tenho que assinalar este blogue como sendo não mais do que um repositório de conteúdo destinado a adultos de mentes degeneradas. É que há coisas que não resisto a publicar (postar, segundo a gíria) de tão pitorescas que são, ainda que ligeiramente, muito ligeiramente, hardcore. Mais uma vez, se tiver coragem, clique. Se for criança, alma sensível, susceptível a imagens chocantes, beatão dos quatro costados, puro de corpo e duro de moralidade se não mesmo de ouvido (homem honrado não tem ouvidos, não é assim?), então passe à frente que para à frente é que é caminho, amigo não empata amigo, quem cá está é que está bem e quem não gosta põe à borda do prato.

A equipa de uma cadeia de televisão canadiana anda a fazer entrevistas de rua e aparece-lhes pela frente uma mulher de garra, daquelas que dá vontade de agarrar e levar para casa, pelo menos se estivermos com um grão na asa. Uma mulher que se revela (e de que maneira, senhores!) pela liberdade de expressão, pela verdade nua e crua, como ela diz e demonstra com desataviada lhaneza. Ora veja. Se a audácia lhe der para tanto. Ou o espírito (sei que o tem, não negue) de alcoviteiro. Pode confessar. Eu também tenho. Há lá coisa melhor do que espreitar pelos buracos. De fechaduras!

Espevitei-lhe a curiosidade? Então avance, sem pruridos nem medos.

16/11/10

declaração de voto


Sem querer abusar nem aproveitar-me da popularidade que este blog já está a ter, quero afirmar, aqui e agora, e respeitarei quem de mim discorde, faça o favor de me pagar com a mesma moeda se for esse o seu caso, que vou votar em Fernando Nobre. E surpreendem-me todos aqueles que, depois de vociferar contra a política e os políticos, não sem carradas de razão, venham agora a terreiro afirmar que não confiam em Fernando Nobre porque ele não tem experiência política. Como se, para acreditar (ainda) nos portugueses, como se para moralizar (ainda) o país, como se para nos dar (ainda) o alento de que tanto andamos a precisar, como se para incutir (ainda) a esperança que nos tem faltado, como se para tentar (ainda) mudar o rumo errático e errado de décadas de más decisões e maus actos, continuemos a precisar de políticos, destes políticos, dos que, indubitavelmente, já provaram que não servem. 

Transcrevo, em página separada, um discurso de Fernando Nobre. Leia-o, pelo menos leia-o com olhos de ler. De espírito aberto, sem os preconceitos e os facciosismos que mais não têm feito do que ajudar políticos, politiqueiros e penduras a sustentarem-se do poder e a sugar Portugal. A sugarem-nos a nós.

longe de lisboa, quem não gostava?


fotonovela para adultos: quando beber não conduza mas, pela sua rica saúde, não beije também

Se tiver menos de 16 anos ou se for atreito a pudores, não clique. Se for libertino ou liberal, vá em frente e dê à cremalheira. Se não for carne nem peixe, nesse caso arrisque e talvez petisque.

andarão a beber red bull?

ai teixeira, ai teixeirinha que desgraça, os quadros vão dar de frosques e nós aqui tão tristes!

Quem é que nos acaba o resto?
Este país não pára de surpreender, qual república das bananas qual carapuça!, se já nem de palco de ópera-bufa o podemos apodar, nem de circo de palhaços, nem de arena de fantoches, nem de cói de chicos-espertos.

Vem este pequeno aranzel, à laia de introdução, a propósito de quê?

Do que se diz hoje nos jornais: que os administradores da Caixa Geral de Depósitos, a quem as preocupações lhes estão a tirar o sono e a dar seborreia nas partes recônditas, resolveram enviar uma carta reivindicativa ao Ministro das Finanças, o Teixeira de que fala o título e de quem a memória começa a ser triste ainda o andor do santinho anda pelo adro a fazer das suas, para que os quadros da instituição (de caridade, está bom de ver) não sejam abrangidos pelas medidas de austeridade previstas no Orçamento do Estado para 2011.

É preciso ter descaramento e dos grandes, não têm vergonha nas fuças nem pruridos na consciência. Ou, como diria a minha avó Quitéria, mais vernácula do que eu benza-a Deus, do que estão a pedir é de um pano encharcado nas ventas e de um cabo de vassoura enfiado por um sítio que eu cá sei mas que, manda a educação, guardo para mim a muito custo.

Vai-nos o Teixeira ao bolso como o gato vai ao bofe e a varejeira ao monturo, só ainda não nos taxou o oxigénio que respiramos porque, alminha benfazeja, não nos quer ver todos a lerpar com falta de ar, já que de dinheiro estamos conversados, e, eis senão quando, vêm os altos líderes da não menos alta finança nacional, entre os quais se contava até há pouco tempo o grande Vara - o stripper da Porcalhota, estão lembrados? -, apelar para que o governo impeça a sangria de quadros superiores que se teme e se prevê e será fatal como o intestino grosso se os cortes salariais se vierem a consumar, isto para não referir os cortes de demais prebendas, que disso não falam e não será por pudor, que o não têm não senhor, já o disse lá atrás mas repito-o por via das dúvidas e porque, de tanto malhar em ferro frio, algum dia há-de haver martelada, olá se há-de, e só se vão perder as que cairem no chão.

Aqui fica uma ideia para os trabalhadores, que os há, deste Portugal massacrado: ameaçarem os respectivos patrões que vão mudar de empresa se continuarem a ganhar esmolas em vez de salários, ameaçar o governo que vão mudar de país se continuarem a ser espoliados até que dos bolsos nada mais saia a não ser cotão, ameaçar o José-Nome-de-Filósofo que lhe vão fazer concorrência e começar a mentir nas declarações de impostos e a responder a anúncios de emprego alegando que têm cursos que não tiraram ou lhes sairam na farinha Amparo, entre outras trapalhadas que, num país de jeito, já o tinham posto com dono ou, como diria mais uma vez a minha avó Quitéria, a quem as papas nunca embargaram a língua, já o teriam mandado com a da mãe às costas e com a do pai aos ombros.

Disse? Está dito.

quem veste assim não é GaGa!

Fotos primorosas que revelam todo o bom gosto e chiqué da nova coqueluche da Pop. Clique se quiser, não faço questão, nem sei o que me passou pela cabeça para lhe andar a mostrar futilidades a umas hora destas, deve ser falta de assunto ou assim. Porém a GaGa, que de gaga e de parva nada tem, há que dizê-lo, é melhor do que muitos publicitários a mostrar e a anunciar o seu produto, que não é bom, nem sequer está bem embalado, já passou há muito o prazo de validade, mas vende, vende, vende como garrafinhas do Luso em pleno Sahara.

agarra-te a essa gravata, pneu, relógio, trança ou halter, é o que se quiser!

Financiamento a privados
Pneus



Amnistia Internacional
Cadeia de salões de beleza

Cadeia de ginásios
Contra o abuso de mulheres na Indonésia

o autocarro bem pode atrasar que a gente não se vai ralar

Anúncio dos correios australianos.


Promoção de viagens ... à Escócia, claro!



Precisa de explicações ou prefere antes ficar a olhar para a fotografia??
Ah! E o vidro parece partido mas não está, ninguém tentou roubar o poster
para o levar para casa, sabe-se lá com que intenções!
Anúncio a uma cadeia de spas. O banco é na verdade uma balança e o número
no écrã digital mostra o peso da criatura que nele se senta.

Anúncio a vidro inquebrável da 3M. Se alguém conseguisse partir o vidro,
levava todo o dinheiro.Um pormenor: só as notas visíveis são reais, todas as outras são falsas.

Anúncio a propósito do Mundial de Futebol.


Espaço reservado à colocação de anúncios pessoais para venda de carros usados.
Isto, claro, para poder amealhar o pilim necessário à compra de um Alfa.
É mesmo água e são mesmo peixes a sério.


Anúncio da Ikea. Só falta uma bejeca e um televisor.
Se quem está sentado no banco não estiver a olhar, a imagem é a que se vê à esquerda.
Se vira a cabeça na direcção do anúncio, uma câmara oculta identifica o movimento
e a imagem muda instantaneamente.
Não, não é desleixo de qualquer almeida.
A roupa no chão faz parte do anúncio ...
Campanha de oferta de um expresso no McDonalds.
A imagem da direita mostra a quantidade de café que resta ainda para oferecer.