Mensagens

A mostrar mensagens de Março 31, 2013

até que a morte nos separe

Imagem
Não parecendo o que são, são convites de casamento ...



Imagens de Manuel Morgado
http://manuelmorgado.com

à lei da bala

Imagem
A Manuela Ferreira Leite alvitrou a suspensão da democracia durante 6 meses para pôr o País na ordem. Sugiro a Passos Coelho que siga o mesmo caminho: suspenda a Constituição durante 9 meses. Um gangster que é gangster, perdão, um governante que é governante não se fica, riposta. Se preciso for, à lei da bala.
Afinal de contas, e parafraseando um nobel comentador que acabei de ler no facebook, "só os países do terceiro mundo têm Tribunal Constitucional".  E nós podemos ser roubados, espoliados, esmifrados, mas não queremos - repito, não queremos - pertencer ao terceiro mundo.

um bom investimento

Imagem
Confesso a minha ignorância: nunca tinha ouvido falar em economia social. Sempre achei que não ter um tostão furado, dormir pelas ruas, recorrer à sopa dos pobres, eram cancros a erradicar da sociedade. Agora, já não. Graças aos homens bons que nos governam fez-se-me luz, fiquei a saber que a pobreza dá dinheiro, cria empregos, faz andar o País para a frente. Para a frente de um comboio, em jeito de suicídio. Fabricam-se desempregados para se criar emprego. Gera-se pobreza para se produzir riqueza. Tiram-se abonos de uns poucos euros para se atribuírem subsídios de muitos milhões. Recuámos aos tempos de Salazar. Ou pior. Pobrezinhos mas honrados, pobretes mas alegretes e, sobretudo, muito, muito empreendedores. A minha enxerga a céu aberto é melhor do que a tua. Lar, doce lar numa das barracas que voltarão a sujar a paisagem, uma esmolinha por caridade, um papo-seco por amor de Deus. Economia social, dizem eles. O deve e o haver das sopas que se dão, a contabilidade dos pães que se d…

à espera do constitucional

Imagem

a grande m/perda

Imagem

fujam coelhos, vem aí a monda!

Imagem
E o Coelho?  E Gaspar? E os irmãos (de armas) Macedos? E Portas? E Cruz e Cristas? E Mota e Álvaro? E Crato e Branco? Enquanto houver um português sem fome ou com emprego, enquanto existirem empresas no activo, enquanto todo o património nacional não for vendido a preço de saldo, enquanto os salários forem altíssimos, para cima de 300 euros, eles vão-se agarrar ao poder como os náufragos ao bote de salvação. Há que afundá-los. Arrancá-los. Proceder à desparasitação, à desratização, à higienização do País. Custe o que custar.

mais encanto, o tanas!

Imagem

só mais um empurrão e, a seguir a relvas, vai todo o joio

Imagem
Relvas demitiu-se. Isto prova que a opinião pública, as manifestações, as redes sociais, por mais que eles neguem e por mais que eles não queiram, têm força e conseguem resultados. Demora tempo - tudo depende da união do povo, tudo depende do seu activismo e grau de mobilização - mas, mais tarde ou mais cedo, levamos a melhor. Agora, falta só mais um empurrão. Para pôr Passos e os outros todos na alheta, que se faz tarde. Pelos escândalos, pelo empobrecimento de milhões e o enriquecimento de poucos, pela sobranceria, pela roubalheira, pela destruição da economia, pelo aumento colossal do desemprego, pela inépcia, pela ideologia amoral, pela subserviência à Merkel dos mercados, Passos e companhia têm que fazer-se à vidinha por outras paragens. Há sempre um Goldman Sachs disposto a oferecer-lhes cargos e prebendas. Não deixam saudades. Antes um rasto de pobreza e de ignomínia nunca vistos em Portugal.
Fotografia: Pedro Rocha/Global Imagens

esperança, esparrelas e demagogia

Imagem
Sabem quem é a D. Esperança? Não? Eu digo. É uma ignara deputada do PSD que, cheia de fervor partidário, de paixões láparas, elogia destemidamente a acção governamental em matéria de Saúde. E chegou ao ponto, a, repito, ignara criatura, de elogiar a contratação de 600 novos enfermeiros para o SNS. Só que a notícia dessa contratação não passou de uma mentira de 1 de Abril. A D. Esperança caiu que nem uma patinha. Por amor a Coelho.

sob o olhar embevecido de relvas, a bater punho com força, com energia

Imagem

era lisboa e chovia

Imagem

vítor gaspar no bundestag

Imagem
Por Viriato Soromenho-Marques http://www.dn.pt
Com o seu habitual zelo religioso (mesmo que seja a um deus desconhecido), Vítor Gaspar falou quarta-feira aos deputados em Lisboa, como se estivesse no Bundestag, com Merkel a seu lado. Foi incapaz de reconhecer o caminho suicidário do "ajustamento". Incapaz de compreender que a raiz do mal que poderá matar a Europa reside no carácter monstruoso da arquitectura da Zona Euro (que combina perigosamente união monetária com fragmentação orçamental, sem cuidar da união política). Pelo contrário, essa arquitectura é tida como um inalterável fim da história. Custe o que custar, doa a quem doer. Aconselho a Vítor Gaspar a leitura de vozes sensatas e sábias que, na Alemanha, alertam para a catástrofe em que Berlim nos ameaça mergulhar a todos. O grande sociólogo Ulrich Beck, num ensaio com o título significativo de "A Europa Alemã", chama a atenção para o modo como Merkel rompeu as regras do jogo na Europa, passando da coopera…

é o capitalismo, estúpido!

Imagem
Por Baptista-Bastos http://www.dn.pt
Já se sabe que a ideologia neoliberal não respeita nem as leis da economia nem as obrigações do direito. Os enredos governamentais apoiam-se na espontaneidade dos mecanismos económicos e na natureza dos acasos. Economistas ilustres como Daniel Bessa ou Ferreira do Amaral e professores universitários como Paulo Morais têm-no dito, incansavelmente, acentuando as características complexas do poder e das liberdades. As consequências são claras: a democracia, tal como a concebemos e foi estruturada na Europa Social, está desfigurada e, por este caminho, condenada a desaparecer. Quando Viriato Soromenho-Marques escreve que a Europa morreu em Chipre, ele adverte-nos de que o intervencionismo económico, tal como aconteceu naquele país, constitui uma ameaça às liberdades.
Estamos no interior de uma nova guerra, cujas conclusões são imprevisíveis. Parafraseando o outro: "É o capitalismo, estúpido!" Do ponto de vista desta irracionalidade política, …

um imóvel ao príncipe real

Imagem
É o palacete que faz esquina com a Calçada da Patriarcal. Diz-se que vai ser transformado, por um "empreendedor" austríaco, num bazar oriental destinado a clientela de luxo. Jóias, mobiliário, roupas de marca, restauração chique, tudo na mão de estrangeiros para gáudio de uma minoria. Antes assim, digo eu, do que ver os mais belos edifícios de Lisboa votados ao abandono ou condenados ao camartelo.

para o que me havia de dar!

Imagem
Hoje deu-me para aqui. Roubar ao blogue Diário de Lisboa (http://lisboadiarios.blogspot.pt) as excelentes fotografias que aqui ponho. Porque Lisboa não é a cidade provinciana e cinzenta de outras eras. Goste-se ou não,  são estas e outras excentricidades que tornam a cidade mais viva numa altura em que tudo - esperança, futuro, bem-estar, felicidade, saúde, educação, moral, compaixão, solidariedade - morre lentamente à nossa volta. Deixem-me ser fútil. Por um dia.












e para quando a queda do IV reich?

Imagem

miguel relvas e o génio de zeca afonso

Imagem
E eis como uma canção escrita nos idos de 70, "Como Se Faz um Canalha", assenta que nem uma luva, um preservativo envenenado, no canastro tumefacto do homem do cadastro.

linha para nenhures

Imagem
Por Luís Rainha http://www.ionline.pt
Pela primeira vez desde que viajo de comboio (são longas e chocalhadas décadas) dei ontem com todos os cartazes publicitários da linha de Cascais em branco. Molduras retroiluminadas enquadrando o vazio que começa já a acolher graffiti e outras marés negras da cidade. Onde antes se prometiam felicidades ao alcance de qualquer bolsa, milagres imunes a qualquer recessão, hoje grita o nada. Com o mar sujo por cenário e suburbanos apressados por figurantes, a crise impõe-se como mensagem em si, como produto doméstico, slogan do olvido. Sei que há coisas mais prementes para dar conta, nos meus minutos ferroviários: horários ignorados, composições em ruína, olhares perdidos aos milhares, mendigos cada vez mais aflitos, o suicida que atrapalha as manhãs. Mas esta parada de moais indecifráveis a berrar nada parece- -me querer dizer muito; talvez mais uma mensagem do Poder, a juntar aos incitamentos à emigração, às “janelas de oportunidade” de onde nos pode…

à carga, meus piratas!

Imagem
Quando o fisco se transforma em confisco eles aguentam? Ai aguentam, aguentam.


lisboa, tejo e tudo

Imagem

a caca no futebol

Imagem
Cheiras mal. Tu é que cheiras. Tu ainda cheiras mais. O teu pai cheira a chichi. O teu cheira a cocó. O teu cheira a cocó vezes dez. E o teu vezes infinitos. (Daniel Oliveira)

há sempre sol em lisboa

Imagem