31/08/12

no centro não está a virtude


De quando em vez, venho aqui lembrar que Portas é ministro, faz parte deste governo, pactua com os crimes e desmandos dos seus parceiros de coligação. É que ele anda fugido, propositadamente apagado, para que ninguém dê por ele. 

Fechemos-lhe as portas. De vez.

acuso!


De cada vez que votamos à direita, que apoiamos o roubo, a exploração, de cada vez que deixamos o capitalismo seguir o seu livre curso, insaciável, impiedoso, criminoso, de cada vez que calamos, de cada vez que não lutamos, de cada vez que fechamos os olhos e seguimos caminho nesta vidinha aconchegada, é isto que estamos a produzir, crianças a morrer à fome e a dor e o desespero e a desgraça de milhões. Para nosso conforto e, pior ainda, para fazer crescer as fortunas de alguns, uns quantos, poucos. Com o nosso silêncio, a nossa indiferença, a nossa conivência, os nossos egoísmos, a nossa ignorância, a nossa cobardia, ajudamos a matar. Somos cúmplices de um genocídio à escala mundial. Tu. Eu. Nós todos.

amizades espúrias


O PCP é conhecido pelas suas amizades dúbias a nível internacional, o que o desacredita e me desgosta profundamente (mas o que importa, aos dirigentes do PCP, a opinião de um perigoso contra-revolucionário?). Tenho, nos últimos dias, dedicado alguma atenção a Angola e às eleições, ao Zé Du, e à sua rica filha rica Isabel, ao seu apoderado Manuel Vicente e a outros comparsas e capangas que vivem à grande e à francesa num país à míngua de pão, de água, de saúde, de educação. São conhecidos os casos de corrupção, das fabulosas riquezas acumuladas, de gastos e gostos milionários daquela gente que abocanhou o país e se apoderou das suas imensas riquezas. 

Este artigo está online no Avante - aqui: http://www.avante.pt/pt/2021//121528/ - e diz o seguinte, relativamente ao espaço internacional na festa dos comunistas:

No Espaço Internacional é possível conhecer melhor as lutas, as tradições e as culturas de muitos países do mundo, pela mão das suas forças mais avançadas e progressistas. Estarão aí presentes stands, bancas, bares ou restaurantes do Partido Comunista Alemão; Partido A Esquerda, da Alemanha; MPLA de Angola; Partido Comunista da Bolívia; PT do Brasil, Partido Comunista do Brasil; PAICV de Cabo Verde; Partido Comunista do Chile; Partido Comunista da China; AKEL de Chipre; Partido Comunista Colombiano; Partido Comunista de Cuba; Partido dos Comunistas da Catalunha; Partido Comunista de Espanha; Bloco Nacionalista Galego; Partido Comunista Britânico; Partido Comunista da Grécia; Partido do Povo do Irão; Partido da Refundação Comunista e Partido dos Comunistas Italianos, de Itália; FRELIMO de Moçambique; Organização para a Libertação da Palestina; Frente Polisário do Saara Ocidental; FRETILIN de Timor Leste; FMLN de El Salvador.

Portanto, sem dúvida, o MPLA é um partido amigo e uma das "forças mais avançadas e progressistas" deste vale de lágrimas a que alguns chamam mundo. Estamos conversados. Como diria o Saramago, até aqui cheguei.

Mas se acha que estou a exagerar, de má vontade, imbuído do espírito reaccionário de uma Zita Seabra (chiça, penico!), leia mais este artigo - http://www.avante.pt/pt/2019//121387/ - do qual aqui vai, à laia de aperitivo, um pequeno excerto:

Nestes anos, de acordo com o MPLA, significativos avanços foram alcançados na construção, reabilitação e modernização de infra-estruturas produtivas e sociais como escolas, hospitais, postos e centros de saúde, portos e aeroportos. Os caminhos-de-ferro estão a ser recuperados e mais de 6500 quilómetros de estradas foram construídos ou arranjados. 

Estamos ou não conversados?

mijar 11000 euros em nome de um povo faminto



Manuel Vicente

Por Carlos Duarte

O candidato a vice-presidente da República de Angola, Manuel Vicente, tem um gosto refinado por vinhos e conhaques caríssimos.

Periodicamente, Manuel Vicente envia, a França e Portugal, um avião executivo (o luxuoso Falcon-900 ou o sofisticado Falcon X-7), como cargueiro para o transporte exclusivo dos seus vinhos e conhaques. Os voos são operados pela VipAir, uma empresa comparticipada pela Sonangol, e passageiros não são permitidos durante as referidas viagens.

Alguns casos recentes demonstram como o actual ministro de Estado para a Coordenação Económica e putativo sucessor de José Eduardo dos Santos na presidência da República e do MPLA, vive indiferente à maioria da condição dos cidadãos angolanos que nem sequer têm acesso a água potável.

Em Paris, a tripulação do Falcon-900, em missão de transporte dos vinhos e conhaques de Manuel Vicente, não teve autorização para transportar outra tripulação da VipAir que se deslocou à capital francesa com o objectivo de entregar um outro Falcon à revisão. Como justificação, o encarregado do candidato do MPLA informou à tripulação sobre a escala à Lisboa, em busca de outros vinhos. Algumas das garrafas de vinho Petrus, adquiridas em Paris, são reservadas apenas a multimilionários. O Petrus 1989 Magnum custa cerca de 9,700 euros, enquanto o Petrus 1990 Magnum atinge os 11,000 euros por garrafa. Já o conhaque regular de Manuel Vicente, o Rémy Martin Louis XIII, custa em média 2,500 euros, enquanto as garrafas especiais, da mesma marca e também ao gosto do dirigente angolano, custam acima dos 8,000 euros.

Durante vários anos, até Janeiro passado, Manuel Vicente exerceu o cargo de todo-poderoso presidente do Conselho de Administração e director-geral da Sonangol, no qual constituiu uma fortuna pessoal incalculável e de forma ilícita, como o Maka Angola tem gradualmente revelado. Por isso, as muitas garrafas de vinho Petrus regularmente adquiridas pelo referido dirigente angolano são apenas uma ínfima amostra do seu estilo de vida opulento.

Outro acto semelhante aconteceu também em viagem recente. De regresso a Angola, o Falcon da AirVip escalou um país africano por contingências de serviço. Dado o calor tropical, Manuel Vicente pessoalmente instruiu a tripulação a alugar um quarto, em hotel de cinco estrelas, para o “repouso” exclusivo dos seus vinhos, provenientes de Paris, a uma temperatura de 18º C.

Há dias, Manuel Vicente deu indicações que, mesmo entre os seus mais relevantes colegas de governo, só alguns especiais podem usufruir das suas bebidas. Em viagem de serviço, através da VipAir, o ministro da Defesa, general Cândido Van-Dúnem, aproveitou a presença do ministro de Estado e chefe da Casa Militar do Presidente da República, general Manuel Hélder Vieira Dias “Kopelipa”, no Falcon, para provar o conhaque Luís XIII de Manuel Vicente. Na viagem seguinte, já sem a presença do general Kopelipa no avião, o ministro Van-Dúnem solicitou que lhe servissem o referido conhaque e o pedido lhe foi recusado por se tratar da garrafeira particular de Manuel Vicente. O general Kopelipa é o principal sócio de Manuel Vicente em negócios que envolvem biliões de dólares de investimentos, resultantes de actos de corrupção envolvendo a Sonangol e a presidência da República.

Mas, como a garrafeira de Manuel Vicente também cuida dos desfavorecidos, coube ao pessoal de bordo servir um conhaque Courvoisier ao ministro da Defesa.

Os actos de Manuel Vicente são ofensivos à moralidade e ao princípio da probidade que deve observar enquanto dirigente. O uso exclusivo de um avião de luxo adquirido com fundos da Sonangol, logo propriedade do Estado, para o transporte de vinhos e conhaque para satisfazer os seus caprichos etílicos é um acto inqualificável de corrupção e esbanjamento de fundos do Estado.

Milhares de crianças angolanas morrem à nascença nas mal apetrechadas maternidades do país ou no Hospital Pediátrico David Bernardino, de Luanda. Todas as manhãs, o Hospital de Pediatria de Luanda afixa uma lista com o nome das crianças que morrem sob os seus cuidados. É de cortar o coração. Mas, Manuel Vicente e seus colegas, que nasceram e cresceram pobres, julgam-se, quando muito, indiferentes ao sofrimento que causam ao povo angolano. Regra geral, escarnecem da miséria dos cidadãos, ao ponto do próprio Presidente José Eduardo ter publicamente afirmado que, quando nasceu filho de um pedreiro e de uma lavadeira, “já havia pobreza em Angola” e a culpa não era nem é sua. Seguramente, estes dirigentes devem achar indigno respirar o mesmo ar que o povo, do qual apenas precisam do voto

há magia em lisboa

 Fotos: https://www.facebook.com/NunoTrindadePhotography

as caraíbas dos tesos

mineiros e minas de ouro


Neste ainda imberbe século XXI, uns quantos senhores, refastelados nas suas minas de ouro, querem à viva força, nem que seja pela lei da bala, dominar o mundo e acumular mais riqueza, sempre mais riqueza. Sabe-se o que se passa. O planeta está à beira de uma rebelião generalizada, nunca se viu tanta gente descontente, revoltada, indignada (Portugal será a excepção, aqui não se passa nada, serenos aguardamos a chamada para as câmaras de gás). Lemos e vimos o que se passou em Espanha com os mineiros das Astúrias. Vimos e aterrorizámo-nos com o assassinato, pela polícia, de dezenas de mineiros sul-africanos. Hoje, chega-nos a notícia de que mais de 100 mineiros italianos se fecharam numa mina a mais de 400 metros de profundidade. Têm consigo 600 quilos de explosivos e dizem-se dispostos a tudo para defender os seus postos de trabalho. Giorgio Napolitano, o Presidente italiano (oiça-me lá esta oh Dr. Cavaco!), manifestou-se "profundamente solidário" com a luta dos mineiros.

Estes factos, e milhares de outros que vêm a lume todos os dias, calam os lacaios desses quantos senhores, que tanto gostam de afirmar que já não há luta de classes. E, da luta à guerra, será obra de um momento. Basta acender o rastilho.

o doutor da mula ruça quer casar e não tem carapuça

Está linda esta imagem do Relvas desaparecido em combate. Isto é, deu à costa lá para as bandas de Timor, onde dissertou sobre a língua ser o petróleo de uma relação e coisa e tal. Está-me cá a parecer que o Relvas precisa de estudar. Português.

Imagem: http://wehavekaosinthegarden.wordpress.com/

saneamento


António Hespanha foi "dispensado" da Universidade Autónoma por ter ido a programa do "Prós e Contras" dizer o que pensa (e fê-lo com a sua habitual educação e cordialidade, apesar da gravidade dos desmandos dos que nos torturam os dias). O que vale é que, se já não temos o poiso do Tarrafal, os de Caxias e Peniche lá estão de pedra e cal. Só lhes falta uma demão, que há quase 40 anos que não tinham uso.

a ironia, às vezes, dói


30/08/12

o seu silêncio


sim meu senhor, assim seja meu senhor, como queira meu senhor


orgulho nacional

na corte d'el-rei eduardo, o dos santos

Siphiwe Sibeko/Reuters



A campanha eleitoral do MPLA custou 60 milhões de euros, o suficiente para alimentar milhares de famílias angolanas durante muitos anos. A miséria propaga-se mas o presidente de Angola, mais os seus testas de ferro, acumulam fortunas. Para quê gastar tanto em propaganda se o regime tem as eleições garantidas? 

aquele mineiro que a polícia matou, não foi ela, fui eu

O ministério público sul-africano vai levar a tribunal 270 mineiros acusando-os da morte de 34 dos seus companheiros. Portanto, caro amigo, se viu o que eu vi neste vídeo, a polícia a assassinar a sangue frio 34 trabalhadores em greve, está a ver mal, precisa de novos óculos ou de outros neurónios.




à vera o que é de vera


o haiti depois de isaac

Mais uma desgraça de um povo sem sorte.

o dia das mentiras é como o natal, é quando o homem quiser!

Ah! Se fosse ao menos decretado feriado a 1 de Abril, em honra de um tal primeiro-ministro. Português, impostor, 47 anos de idade.

tem, não tem?


é, não é?


não me digas!!


ah, diz-me dessas!


infâmias

Ao mesmo tempo que o governo planeia cortar benefícios fiscais às famílias com deficientes, eis o senhor primeiro-ministro, ao lado do seu plenipotenciário e mui desacreditado Relvas, a pousar para a fotografia que o eternizará, soberbo na sua fatiota de ir à missa, no momento em que deseja felicidades e sucesso aos atletas paralímpicos a caminho de Londres. Hipocrisia? Desvergonha? Insensibilidade? Propaganda? Mexam tudo e levem a lume brando. É esta a receita para a ignomínia. 

um amor em lisboa

29/08/12

de um português escavacado

Um dia, foi fazer a rodagem do carro novo. Saiu de lá presidente de um partido. De então para cá, e já lá vão uns anos valentes, se sai de cena é por pouco tempo, para preparar o próximo assalto a um poder que não sabe, nunca soube exercer. O percurso tem sido tortuoso, mas sairá vitorioso. Foi primeiro-ministro, é presidente da pobre república, ganhou estatuto, posses, amigos. Dias Loureiro e Duarte Lima, entre outros figurões, fizeram, se é que ainda não fazem, parte do seu inner circle. Foi o pior presidente dos tempos democráticos. O pior que podíamos ter numa altura em que a democracia sossobra. E Portugal com ela. As escutas, o BPN, a Quinta da Coelha, a parca reforma, as pequenas cobardias e grandes pusilanimidades não o afectam. Soma e segue, feliz em Belém, à espera da imortalidade. Que terá, mas não pelas melhores razões.

Imagem: http://wehavekaosinthegarden.wordpress.com/

um museu a céu aberto

1. Ordes, Espanha




Image Credits: blublu.org

almoço d'amigos


Num restaurante da Praia do Ancão, naquela zona entre a Quinta do Lago e Vale de Lobo onde só pousam os pobretanas, Miguel Relvas almoça descontraidamente com Zeinal Bava e Joaquim Oliveira. Como António Borges não esteve lá, presume-se que ou Borges não faz parte desta elite de amigos ou, então, que eles não estavam a discutir a RTP nem a sua morte anunciada, mas antes as coisas simples da vida, o sabor do linguado, o tanino do vinho, as gajas da praia, trivialidades de um Verão morno.

o ventríloquo

Por Baptista Bastos

O país que pensa assistiu, entre o perplexo e o estarrecido, às declarações do sr. António Borges a Judite Sousa, na TVI. Perplexo porque viu um assessor substituir o Governo numa entrevista importante. Estarrecido pela frieza gélida com que o senhorito falou no extermínio do serviço público de informação, em troca de coisa alguma. A certa altura da extraordinária conversa, o sr. Borges, impávido e sereno, disse que a questão dos despedimentos previsíveis diria respeito ao novo "operador" logo que a RTP e a RDP fossem desmanteladas. O Governo lavava dali as mãos. Só um tolo admitiria que o preopinante falava com voz própria. Ele mais não era do que o eco, à sorrelfa, de Miguel Relvas, dissimulado nos bastidores pelas públicas razões conhecidas.

e o pior está para vir


Os protestos multiplicam-se, dos Estados Unidos à Europa a bomba-relógio está pronta a explodir. Os governos, uns mais do que outros porque nem todos são Passos e nem todos são parvos, impõem medidas de austeridade, cortam as despesas na saúde e na educação, lêem todos pela mesma cartilha, neoliberal e neofascista, ao mesmo tempo que aumentam os orçamentos para as polícias. Já estive em marchas de protesto onde havia mais polícia do que manifestantes. Polícias treinados para malhar a torto e a direito. Esperemos pela pancada. O pior está para vir. Porque até o povo mais manso, mais tanso, acaba por espernear.

vamos a eles!


Vamos fazer como o carteirista do 28. Vamo-nos esconder pelas arcadas do Terreiro do Paço, pelos recantos do Gambrinus e da Bica do Sapato, pelos corredores do luxo e do lixo pátrio, e vamos apanhar os senhores da troika a jeito. Vamos-lhes gamar as carteiras, deixá-los sem cheta, sem dinheiro para mandar cantar um cego. E, depois de depenados, vamos repatriá-los, mandá-los à fava enquanto a ervilha não enche, caçar gambuzinos, pentear macacos, à merda. Vão e não voltem. E nós, com o pilim que roubámos a quem roubou, alcançaremos o perdão divino e conheceremos um mundo de prazeres, cheios de graça  eterna. 

28/08/12

pecado seria não apoiar

aborte todd akin


Na sequência deste post http://ouropel.blogspot.pt/2012/08/o-aborto.html, e deste http://ouropel.blogspot.pt/2012/08/a-mama-cura-panasquice.html, faça a sua boa acção do dia e escreva umas verdades na página do Todd Idiota no Facebook:
https://www.facebook.com/supportakin

a mama cura a "bichice"


Lembra-se de Todd Akin? Aquele javardolas que, há dias, levantou polémica (até entre os da sua igualha, os republicanos) ao manifestar-se contra o aborto em qualquer circunstância, afirmando que o corpo da mulher tinha meios para não engravidar em caso de violação? O homúnculo, adorado pelo movimento Tea Party e com carradas de motivos para tal, veio outra vez a terreiro para afirmar que a homossexualidade é uma doença e que "o leite da mulher, quando bebido por um homossexual durante pelo menos 4 semanas, tem 94% de probabilidades de curar permanentemente as suas perversões".

Comentários para quê? É a América no seu melhor.

15 de setembro: é desta que sai à rua?

Que se lixe a troika, queremos as nossas vidas

É preciso fazer qualquer coisa de extraordinário. É preciso tomar as ruas e as praças das cidades, das nossas cidades e dos nossos campos. Juntar as vozes, as mãos. Este silêncio mata-nos. O ruído do sistema mediático dominante ecoa no silêncio, reproduz o silêncio, tece redes de mentiras que nos adormecem e aniquilam o desejo. É preciso fazer qualquer coisa contra a submissão e a resignação, contra o afunilamento das ideias, contra a morte da vontade colectiva. É preciso convocar de novo as vozes, os braços e as pernas de todas e todos os que sabem que nas ruas se decide o presente e o futuro. É preciso vencer o medo que habilmente foi disseminado e, de uma vez por todas, perceber que já quase nada temos a perder e que o dia chegará de já tudo termos perdido porque nos calámos e, sós, desistimos.

cores de lisboa


ladrão que rouba ladrão

Há um austríaco de nome Albert Jaeger, não tem nada a ver com o outro dos Stones, que vive em Lisboa desde Outubro do ano passado. Isto porque é representante do FMI em Lisboa e, como se sabe, e quem não sabe devia saber, é o FMI que manda aqui. Nas suas horas vagas, porque não é insensível à beleza mesmo que a sua instituição roube os povos do mundo friamente, condenando muitos deles à miséria absoluta, à fome, à morte, o Jaeger faz turismo por Lisboa. E no outro dia foi no 28 ao Castelo de São Jorge. Viagem que lhe foi adversa. Ao que consta, um carteirista - abençoado seja, nem que seja só desta vez! - resolveu gamar o Jaeger, fanar-lhe a carteira, depená-lo. Aí valente! Sendo eu contra a ratonice, a vigarice, a impostura, não posso deixar de ficar deliciado com a ironia do caso. Ladrão que rouba a ladrão tem perdão, ah pois tem!

tágides do tejo




27/08/12

sob o céu da lisboa amada



haja humor, que amor não há

a humilhação




Que dó, que tristeza, que tragédia ver o primeiro-ministro grego, ao lado da Merkel danada, a mendigar mais prazo para pagar as dívidas. Ele só queria isso, mais prazo. A Merkel danada, naquela pose de diva fanada com que há-de entrar no inferno, se inferno houver, avisava que a Grécia tem que se portar bem, a Grécia tem que cumprir o que promete, quem manda na Grécia é a Alemanha e, portanto, nada de levantar a grimpa, de desobedecer, de ser independente, que a Grécia só existe enquanto a Alemanha quiser.

Já falta pouco para vermos Passos a fazer a mesma figura de indigente. Não sofrerei por Passos, mas pelos portugueses, os poucos que ainda têm orgulho e que sofrem por ver o seu país a ser vendido a pataco. E a perder o pouco que lhe restava de uma independência que tanto sangue derramou.

recado à igreja

26/08/12

alberto joão tem uma fundação

Essa é que é essa. Na Madeira, essa ilha paradisíaca governada por um Jardim bonacheirão, que tanto diverte os cubanos com as suas boutades e os seus corsos carnavalescos, viu transformar em Fundação a instituição, diga-se assim, que comprou e pretende transformar em museu a casa onde Alberto João viveu até aos 30 anos. O citado organismo, presidido pelo próprio vice-rei da ilha e que dá pelo nome de Fundação Social-Democrata, foi fundado há 20 anos com o intuito de ajudar os mais carenciados da Região Autónoma. Tal nunca aconteceu, diz quem sabe, mas a Fundação acumulou muito carcanhol ao longo de duas décadas: o seu património, que começou por ser de 50 mil euros, aproxima-se agora dos 13 milhões de euros (o jeito que dava para ajudar a tapar o buraco da Madeira que Jardim cavou!). Dinheiro que recebeu do Estado - de quem mais poderia ser? - sem que tivesse feito obra que se veja. Ah! Má língua a minha: faz obras, faz, na casa do Alberto João. O museu da Fundação. Que espólio exibirão? Os cueiros do Albertinho? O biberão do Joãozinho? A sua colecção de Tio Patinhas? As suas fisgas? Os livros de Direito, pouco lidos, bem conservados? 

E, se mal pergunto, a Fundação, de que Jardim é presidente, comprou a casa ao próprio Alberto João?

vestuário subversivo

Nos Estados Unidos, essa terra de oportunidades, esse paraíso na Terra, esse El Dorado dos tempos modernos, algumas companhias de aviação estão a impedir os seus passageiros de embarcar, a menos que mudem de roupa. Não, não são mulheres vestidas de coelhinhas da Playboy ou outras alarvidades a atirar para o atiradiço. É, muitas vezes, gente que teve a ousadia de envergar t-shirts com mensagens sociais e políticas censuráveis aos olhos dos senhores da América, donos do mundo e, agora, das opiniões e dos gostos de cada um.