10/10/14

vírus ébola: o embuste

Por Manuel Pinto Coelho
http://www.publico.pt

Tem tanto de extraordinária como de caricata a histeria que vai por esse mundo por causa da “catástrofe” provocada pelo vírus Ébola.

A imprensa internacional fala de 1229 mortos entre Março e Agosto de 2014. Ora bem, se consultarmos a página da OMS sobre este assunto, veremos que na realidade foram 788 os casos de óbito formalmente identificados como causados pelo vírus Ébola, um número bem inferior aos 1,2 milhões de mortes causadas pela malária (paludismo). O número remanescente limitou-se a traduzir os casos “suspeitos” ou “prováveis”.

As imagens televisivas com que fomos recentemente presenteados, mostrando-nos técnicos de saúde, quais marcianos envergando complexas máscaras junto de doentes suspeitos, são totalmente insensatas e dignas de um mau filme de ficção científica.

É importante saber-se que o vírus Ébola não se transmite com facilidade. Para haver transmissão do vírus, tal como acontece com o vírus da SIDA - o VIH - é necessário um contacto direto com um líquido biológico do doente, como o sangue, as fezes ou o vómito.

O vírus Ébola é sobretudo perigoso quando mal acompanhado. Como os doentes infetados morrem de desidratação ou de hemorragias, então o tratamento consiste logicamente na hidratação e/ou transfusão sanguínea, e não na administração de uma qualquer vacina ou hipotético medicamento.

Como a solução contra a epidemia consiste essencialmente em respeitar medidas simples usando o bom senso - higiene, boa nutrição, vitaminas C e D nas doses adequadas -, a verdadeira prioridade nos países tocados pelo flagelo, deveria ser criar infra-estruturas médicas de forma a fornecer aos doentes os cuidados médicos de base.

Seria bom que se soubesse que não há qualquer transmissão por via aérea, ou seja, quando uma pessoa fala ou tosse, não vai espalhar o vírus pelo espaço aéreo circundante.

Assim sendo, ao contrário da ideia com que se fica pela leitura da imprensa, não existe qualquer razão para recear que o vírus Ébola se possa transformar numa pandemia à escala mundial.

Semear o pânico pode ser um negócio muito lucrativo que importa desmontar. Veja-se o que se passou ainda recentemente (2005) com a “pandemia eminente” da “gripe das aves”. Através da sábia manipulação da opinião pública, a consequência foi uma totalmente desnecessária vacinação em massa da população com o consequente enriquecimento de alguma indústria farmacêutica por um lado, e esvaimento dos cofres públicos em muitos milhares de euros em vacinas usadas e… não usadas, por outro. O antiviral “milagre” Tamiflu limitou-se tão-só a reduzir a duração dos sintomas em menos de um dia, sem conseguir limitar minimamente as hospitalizações.

Os títulos sensacionalistas martelados por alguma imprensa nas últimas semanas não fazem qualquer sentido. Importa que não nos deixemos submergir pela informação viciada e pela mentira. A reação totalmente excessiva face a este problema corre o risco de provocar uma catástrofe humanitária de dimensões bem superiores à provocada pelo próprio vírus Ébola. A medida tomada recentemente pelo governo da Serra Leoa, que interditou o albergue e os cuidados dados a estes doentes – única forma de os salvar -, mimoseando com a pena de dois anos de prisão os seus infractores, bem como uma outra tomada pelo governo da Libéria, ordenando aos soldados que atirassem a matar sobre as pessoas que procurassem passar a fronteira como forma de impedir a propagação da epidemia, é inacreditável. O mito dum passageiro africano infetado pela doença, no avião, que poderia infetar o país europeu onde desembarcasse é da mesma forma totalmente irrealista e traduz uma total ignorância sobre a realidade do vírus Ébola. À semelhança do que se passou com a “gripe das aves” importa não enviar camiões de vacinas ou medicamentos para África ou para onde quer que seja. Tal servirá unicamente para enriquecer alguns laboratórios farmacêuticos.

A psicose informativa vigente, reprimindo as populações e isolando dezenas de milhares de infelizes criaturas, homens, mulheres e crianças, postos em quarentena na Libéria com medo dum contágio que nunca acontecerá se não houver contacto direto com os líquidos orgânicos do portador da doença, tem de ser urgentemente desmontado e desmascarado.

Não podemos aceitar a reedição dum negócio das arábias à custa da boa fé ingénua e da desinformação do incauto cidadão.

Médico, doutorado em Ciências da Educação

06/10/14

a tragédia do meco serve de gozo nas praxes

http://www.cmjornal.xl.pt/

chapeladas


Ontem, o presidente Silva execrou os políticos em geral e os populistas em particular. Para cair nas boas graças do povoléu foi assim uma espécie de Marinho Pinto embrulhado com Seguro mas em segundas núpcias. O presidente Silva diz o que lhe dá jeito, hoje uma coisa, amanhã outra, depois de amanhã o que lhe aprouver ou o que deus quiser. Felizmente, está quase, quase de partida.

05/10/14

O Sr. Baixa e o Sr. Não-Baixa

http://henricartoon.pt/

obrigado dr. passos coelho

Exmo. Sr.
Primeiro Ministro de Portugal

Caro Dr. Pedro Passos Coelho,

Jamais pensei que um dia lhe endereçaria uma carta de agradecimento pelo seu trabalho enquanto primeiro ministro deste jardim plantado junto ao mar. Por uma questão de justiça não posso nem devo adiar mais esta carta e o público agradecimento.Bem sei que tem tido ajudas, lá chegaremos, mas o mérito que é seu não lhe pode ser negado.

Em 2011 Portugal tinha uma insustentável divida publica de 98% do PIB, graças à sua visão, competência e mão firme estamos a terminar 2014 com uma perfeitamente aceitável, sustentável e legitima divida na casa dos 135% do PIB. Isto é bom não é? Quanto maior o número melhor!

Obrigado Dr. Passos Coelho!

Tínhamos empresas rentáveis, por exemplo os CTT e a EDP, que o sr. fez o favor de vender a interesses estrangeiros. Muito bom, excelentes exemplos daquilo que é a eficiente e competente gestão da coisa pública. Não queremos cá empresas públicas a dar lucros, isso até parece mal.

É certo que também nos livrou de algumas que davam prejuízo, por exemplo o BPN e os Estaleiros de Viana. Foi através de uma espécie de leilão ao contrario recorrendo não ao tradicional “quem dá mais” mas a um inovador “quem dá menos”. Recolheu para os cofres públicos uma espécie de pocket money, ficando os felizes compradores com o lombo e os portugueses com os ossos, o mesmo será dizer eles ficaram com os activos e nós com os passivos. Brilhante uma vez mais!

Obrigado Dr. Passos Coelho!

Quando chegou ao poder disse que ia cortar as gorduras do Estado. Não cortou as prometidas gorduras, fez muito bem. Já diziam ao meus saudosos Avós, do alto da sua sabedoria popular, gordura é formosura e sinal de saúde. Creio que ninguém está interessado num Estado pouco formoso e com ar adoentado.

Há cerca de duas décadas trabalhei numa empresa que tinha no seu board um Holandês que dizia “Portugal é uma País fantástico, só é pena ter portugueses!”. Também neste caso, caro Dr. Passos Coelho, conseguiu ser exemplar, contribuiu para a realização do sonho deste Holandês tendo, simultaneamente, conseguido igualar-se ao Estado Novo. Nessa época os Portugueses fugiam da ditadura e da fome, actualmente fogem da fome e da sua democracia.

Obrigado Dr. Passos Coelho!

Tivemos ao longo destes três anos, utilizando as palavras do seu ex-ministro de estado um brutal aumento de impostos que se traduziu em maiores dificuldades, em mais desemprego e, porque não dizê-lo em mais fome. Mas, o que é que isso importa, como dizia o outro “eles aguentam, ai aguentam aguentam”.

É certo que o tal brutal aumento de impostos não teve efeito prático na redução da divida pública, não criou emprego, não relançou a economia, nem podia. Também não se traduziu na redução do défice do estado, aliás em relação a isto o sr. nunca conseguiu cumprir um, ultrapassou sempre o previsto. Mas, o que é que isto importa? Não tem importância nenhuma!

Por referir o desemprego, tenho de lhe agradecer a estratégia, muito engenhosa, de colocar os desempregados a fazer umas acções de formação. Desta forma consegue baixar artificialmente o números do desemprego, criando a ilusão de que estamos no caminho certo. Muito bem, bem pensado, não deixe que a verdade destrua uma bonita ilusão. O que seria de nós sem sonhos e sem ilusões?

Obrigado Dr. Passos Coelho!

Todo este seu esforço e dedicação tem causado problemas na sua saúde, isso é lamentável. Começam-se a notar algumas falhas de memória e isso é preocupante. Estou certo que noutros tempos não se esquecia dum período da sua vida, quando era deputado em exclusividade, periodo em que, alegadamente, uma empresa lhe pagou o dobro do vencimento que recebia como deputado.

Se pagou ou não isso não é importante. O que é importante é a sua saúde, não é normal um esquecimento desses, não se lembra se recebeu, mas também não se lembra de não ter recebido. Também não tem importância nenhuma a investigação ter estado na gaveta e só agora que o eventual crime já prescreveu ter vindo a lume. Isso não importa nada, o que importa é a sua saúde!

Tenho também que lhe agradecer o facto de ter acabado com essa coisa sem piada nenhuma a que chamavam responsabilidade política. Noutros tempos caía uma ponte e o ministro caía com ela, o ministro não tinha culpa nenhuma mas com essa mania da tal responsabilidade política ele demitia-se. Actualmente, não cai uma ponte, cai toda a estrutura da justiça mas a ministra não cai, pede desculpa pelo transtorno com um ar majestático. Assim mesmo é que é! Poucas confiancas que esta malta não merece confiança, nem respeito quanto mais confiança.

Mais recentemente um ministro, todas as tendencias de forma transversal até reconheciam que era um bom ministro, resolveu colocar os dois dedos indicadores na sua própria testa e demitiu-se, ou foi demitido. Actualmente o sr. tem um ministro da educação que não coloca os dedos na testa mas que de forma prática toureia alunos e professores mas que se mantém, não se demite, pede desculpa.

Esta nova modalidade de pedir desculpa em vez de assumirem a responsabilidade política dos disparates é muito melhor, quanto mais não seja porque evita a maçada de obrigarmos o aposentado de Belém ir ao Palácio da Ajuda dar posse a novos ministros e mais uns quantos secretários de estado.

Obrigado Dr. Passos Coelho!

Como referi no inicio desta carta de agradecimento é verdade que o sr. teve ajudas. Desde o inicio teve a enorme ajuda de ter, como líder do maior partido da oposição, uma figura que quando lhe perguntavam quando é que ia começar a fazer oposição respondia com outra pergunta, perguntava sempre “qual é a pressa?”.

Interessante esta semelhança, este não tinha pressa em começar a fazer o trabalho que lhe competia, o sr. dizia que não tinha “pressa de chegar ao pote”. Confesso que nunca entendi, talvez não queira entender, esta sua expressão.

Outra ajuda importante foi dada pela comunicação social que se esqueceu da sua missão assobiando para o lado quando tinha a obrigação de fazer algumas perguntas directas. Por exemplo, uma sobre a falta de memória de quem não se lembra se andou a receber ou não por fora o dobro da verba que tinha como vencimento legitimo e declarado.

Em conclusão caro Dr. Pedro Passos Coelho obrigado por ao longo destes três anos nos ter conduzido a um País em franco crescimento.

Temos mais divida, temos mais despesa, temos mais desemprego, temos mais emigrantes, temos mais impostos, temos mais fome. Sinais francamente positivos.

Mais é bom!

Não se deixe intimidar pelos que desvalorizam a bondade dos números crescentes, os que de forma completamente criminosa tentam ofuscar com os números negativos.

Temos menos escola, temos menos justica, temos menos saúde, temos menos apoios sociais mas isso, não importa nada. O que importa são os números positivos e crescentes já aqui demonstrados.

Termino reafirmando e reforçando o agradecimento. Obrigado Dr. Passos Coelho, obrigado sr. primeiro ministro de Portugal pelo legado de miséria crescente que nos vai deixar em herança.

Obrigado Dr. Pedro Passos Coelho!

Jacinto Furtado
http://www.noticiasonline.eu/