obrigado dr. passos coelho

Exmo. Sr.
Primeiro Ministro de Portugal

Caro Dr. Pedro Passos Coelho,

Jamais pensei que um dia lhe endereçaria uma carta de agradecimento pelo seu trabalho enquanto primeiro ministro deste jardim plantado junto ao mar. Por uma questão de justiça não posso nem devo adiar mais esta carta e o público agradecimento.Bem sei que tem tido ajudas, lá chegaremos, mas o mérito que é seu não lhe pode ser negado.

Em 2011 Portugal tinha uma insustentável divida publica de 98% do PIB, graças à sua visão, competência e mão firme estamos a terminar 2014 com uma perfeitamente aceitável, sustentável e legitima divida na casa dos 135% do PIB. Isto é bom não é? Quanto maior o número melhor!

Obrigado Dr. Passos Coelho!

Tínhamos empresas rentáveis, por exemplo os CTT e a EDP, que o sr. fez o favor de vender a interesses estrangeiros. Muito bom, excelentes exemplos daquilo que é a eficiente e competente gestão da coisa pública. Não queremos cá empresas públicas a dar lucros, isso até parece mal.

É certo que também nos livrou de algumas que davam prejuízo, por exemplo o BPN e os Estaleiros de Viana. Foi através de uma espécie de leilão ao contrario recorrendo não ao tradicional “quem dá mais” mas a um inovador “quem dá menos”. Recolheu para os cofres públicos uma espécie de pocket money, ficando os felizes compradores com o lombo e os portugueses com os ossos, o mesmo será dizer eles ficaram com os activos e nós com os passivos. Brilhante uma vez mais!

Obrigado Dr. Passos Coelho!

Quando chegou ao poder disse que ia cortar as gorduras do Estado. Não cortou as prometidas gorduras, fez muito bem. Já diziam ao meus saudosos Avós, do alto da sua sabedoria popular, gordura é formosura e sinal de saúde. Creio que ninguém está interessado num Estado pouco formoso e com ar adoentado.

Há cerca de duas décadas trabalhei numa empresa que tinha no seu board um Holandês que dizia “Portugal é uma País fantástico, só é pena ter portugueses!”. Também neste caso, caro Dr. Passos Coelho, conseguiu ser exemplar, contribuiu para a realização do sonho deste Holandês tendo, simultaneamente, conseguido igualar-se ao Estado Novo. Nessa época os Portugueses fugiam da ditadura e da fome, actualmente fogem da fome e da sua democracia.

Obrigado Dr. Passos Coelho!

Tivemos ao longo destes três anos, utilizando as palavras do seu ex-ministro de estado um brutal aumento de impostos que se traduziu em maiores dificuldades, em mais desemprego e, porque não dizê-lo em mais fome. Mas, o que é que isso importa, como dizia o outro “eles aguentam, ai aguentam aguentam”.

É certo que o tal brutal aumento de impostos não teve efeito prático na redução da divida pública, não criou emprego, não relançou a economia, nem podia. Também não se traduziu na redução do défice do estado, aliás em relação a isto o sr. nunca conseguiu cumprir um, ultrapassou sempre o previsto. Mas, o que é que isto importa? Não tem importância nenhuma!

Por referir o desemprego, tenho de lhe agradecer a estratégia, muito engenhosa, de colocar os desempregados a fazer umas acções de formação. Desta forma consegue baixar artificialmente o números do desemprego, criando a ilusão de que estamos no caminho certo. Muito bem, bem pensado, não deixe que a verdade destrua uma bonita ilusão. O que seria de nós sem sonhos e sem ilusões?

Obrigado Dr. Passos Coelho!

Todo este seu esforço e dedicação tem causado problemas na sua saúde, isso é lamentável. Começam-se a notar algumas falhas de memória e isso é preocupante. Estou certo que noutros tempos não se esquecia dum período da sua vida, quando era deputado em exclusividade, periodo em que, alegadamente, uma empresa lhe pagou o dobro do vencimento que recebia como deputado.

Se pagou ou não isso não é importante. O que é importante é a sua saúde, não é normal um esquecimento desses, não se lembra se recebeu, mas também não se lembra de não ter recebido. Também não tem importância nenhuma a investigação ter estado na gaveta e só agora que o eventual crime já prescreveu ter vindo a lume. Isso não importa nada, o que importa é a sua saúde!

Tenho também que lhe agradecer o facto de ter acabado com essa coisa sem piada nenhuma a que chamavam responsabilidade política. Noutros tempos caía uma ponte e o ministro caía com ela, o ministro não tinha culpa nenhuma mas com essa mania da tal responsabilidade política ele demitia-se. Actualmente, não cai uma ponte, cai toda a estrutura da justiça mas a ministra não cai, pede desculpa pelo transtorno com um ar majestático. Assim mesmo é que é! Poucas confiancas que esta malta não merece confiança, nem respeito quanto mais confiança.

Mais recentemente um ministro, todas as tendencias de forma transversal até reconheciam que era um bom ministro, resolveu colocar os dois dedos indicadores na sua própria testa e demitiu-se, ou foi demitido. Actualmente o sr. tem um ministro da educação que não coloca os dedos na testa mas que de forma prática toureia alunos e professores mas que se mantém, não se demite, pede desculpa.

Esta nova modalidade de pedir desculpa em vez de assumirem a responsabilidade política dos disparates é muito melhor, quanto mais não seja porque evita a maçada de obrigarmos o aposentado de Belém ir ao Palácio da Ajuda dar posse a novos ministros e mais uns quantos secretários de estado.

Obrigado Dr. Passos Coelho!

Como referi no inicio desta carta de agradecimento é verdade que o sr. teve ajudas. Desde o inicio teve a enorme ajuda de ter, como líder do maior partido da oposição, uma figura que quando lhe perguntavam quando é que ia começar a fazer oposição respondia com outra pergunta, perguntava sempre “qual é a pressa?”.

Interessante esta semelhança, este não tinha pressa em começar a fazer o trabalho que lhe competia, o sr. dizia que não tinha “pressa de chegar ao pote”. Confesso que nunca entendi, talvez não queira entender, esta sua expressão.

Outra ajuda importante foi dada pela comunicação social que se esqueceu da sua missão assobiando para o lado quando tinha a obrigação de fazer algumas perguntas directas. Por exemplo, uma sobre a falta de memória de quem não se lembra se andou a receber ou não por fora o dobro da verba que tinha como vencimento legitimo e declarado.

Em conclusão caro Dr. Pedro Passos Coelho obrigado por ao longo destes três anos nos ter conduzido a um País em franco crescimento.

Temos mais divida, temos mais despesa, temos mais desemprego, temos mais emigrantes, temos mais impostos, temos mais fome. Sinais francamente positivos.

Mais é bom!

Não se deixe intimidar pelos que desvalorizam a bondade dos números crescentes, os que de forma completamente criminosa tentam ofuscar com os números negativos.

Temos menos escola, temos menos justica, temos menos saúde, temos menos apoios sociais mas isso, não importa nada. O que importa são os números positivos e crescentes já aqui demonstrados.

Termino reafirmando e reforçando o agradecimento. Obrigado Dr. Passos Coelho, obrigado sr. primeiro ministro de Portugal pelo legado de miséria crescente que nos vai deixar em herança.

Obrigado Dr. Pedro Passos Coelho!

Jacinto Furtado
http://www.noticiasonline.eu/

Comentários

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

oxalá me engane!