07/01/17

oxalá me engane!


Não escrevi até agora uma única linha sobre Guterres e a sua "prestigiosa" eleição para presidente das Nações Unidas. Não embandeirei em arco. Não alinhei na costumada saloiice, tão à portuguesa, de me sentir feliz, honrado ou vingado na nossa pequenez por haver alguém, Guterres ou Durão, presidente bancário ou CEO de multinacional, agente da Goldman Sachs ou sequaz do FMI, que ande lá por fora a lutar pela vidinha. A dúvida que me assalta é sempre a mesma: será que os "grandes" do mundo, os senhores da alta finança, os homens que, tal como os cães, mijam em Portugal, na Grécia, no Iraque, na Síria, no Chile, na Argentina, no Brasil, para marcar território, fizeram  eleger tão unanimemente Guterres para que ele combata os seus interesses, os seus planos de domínio do mundo, de contínua escravização das plebes? Ou querer-se-á que Guterres não passe de um Durão Barroso, um pau-mandado das grandes corporações e centros de decisão financeiros?

Que têm António José Seguro, Paulo Portas, José Sócrates, Leonor Beleza, José Pedro Aguiar-Branco, Luís Amado, José Manuel Durão Barroso, Paulo Rangel, António Costa, Pedro Santana Lopes, Rui Rio, Manuela Ferreira Leite, Marcelo Rebelo de Sousa, Luís Mira Amaral, Vítor Constâncio, Fernando Teixeira dos Santos e tantos outros pesos-pesados da política (e dos negócios) da lusa pátria em comum com António Guterres? Todos eles, a convite de Francisco Pinto Balsemão, já estiveram presentes em reuniões do clube Bilderberg.

"Ah!", exclamarão os meus prezados amigos, "não me vais dizer, ó Cruz, que também acreditas naquelas teorias da conspiração que ligam os senhores do Bilderberg à Nova Ordem Mundial, ao governo único à escala planetária?"

Não. Não acredito (ainda). Mas tampouco acredito na inocência de propósitos de tal agremiação. E nunca, nunca há almoços grátis, nem para Guterres, nem para Sócrates, nem para Costa. Os Rockefeller ou os Rothschild, se fossem relógios, nem horas davam quanto mais estadas em estâncias de luxo.

Oxalá me engane. Para bem do mundo. E, então sim, orgulho de Portugal. A estória de David contra Golias pode sempre repetir-se. É preciso ter fé.

Página do livro "O Clube Bilderberg", de Daniel Estulín

06/01/17

Bye Mr. President!

Depois de Cavaco Silva, Rebelo de Sousa. Mal por bem, tivemos sorte apesar de não ter sido o meu candidato.

Depois de Obama, o pato Donald. Mal por mal, de mal a pior. Tiveram azar.

Fonte de todas as fotografias; https://www.theguardian.com

Charles Ommanney/Getty Images


Saul Loeb/AFP/Getty Images
Pete Souza/The White House
Pete Souza/The White House
Pete Souza/The White House
Pete Souza/The White House
Pete Souza/The White House
Brooks Kraft/Corbis via Getty Images
Saul Loeb/AFP/Getty Images
Pete Souza/White House/EPA
Pete Souza/White House
Carlos Barria/Reuters
Jim Watson/AFP/Getty Images



05/01/17

a morte ficava-lhe a matar



Juro. Juro pelas alminhas dos que já lá estão, pela minha rica saúde, pelos santos e arcanjos dos céus e dos infernos: nunca desejei a morte de ninguém. Nem sequer, vejam como sou um paz d'alma, as do pecaminoso Coelho ou do conventual Silva. Sou pacífico, pacifista, tenho um coração de manteiga, uma costela de Mahatma Ghandi, um sonho à Luther King. Mas agora, sim!, quero. Porque é ele que estica o rechonchudo pernilaço ou é o mundo inteiro que se esvai num mar de sangue e de horror. É ele, o vendilhão, o intrujão, o rufião da Quinta Avenida, ou nós. Sei que não é cristão o que peço, que será condenado pelos que, agora mesmo, rogam pela morte de Soares e, não há muito, se regozijaram com a de Fidel. Sei que estes instintos maléficos que me assaltam a moleirinha podem dar azo a penas, e não serão tão leves como as de um abutre. Mas, sim!, quero, repito até que a voz de doa e à fé de quem sou. Se, no país dele, há tantos malucos à solta, que atiram a matar por dá cá aquela palha, porque não aparece um doido varrido - que digo eu?, um herói, um herói é que é! - para varrê-lo desta para melhor, para o aterro onde se atulha o lixo da História? O mundo também ficava melhor.