07/01/17

oxalá me engane!


Não escrevi até agora uma única linha sobre Guterres e a sua "prestigiosa" eleição para presidente das Nações Unidas. Não embandeirei em arco. Não alinhei na costumada saloiice, tão à portuguesa, de me sentir feliz, honrado ou vingado na nossa pequenez por haver alguém, Guterres ou Durão, presidente bancário ou CEO de multinacional, agente da Goldman Sachs ou sequaz do FMI, que ande lá por fora a lutar pela vidinha. A dúvida que me assalta é sempre a mesma: será que os "grandes" do mundo, os senhores da alta finança, os homens que, tal como os cães, mijam em Portugal, na Grécia, no Iraque, na Síria, no Chile, na Argentina, no Brasil, para marcar território, fizeram  eleger tão unanimemente Guterres para que ele combata os seus interesses, os seus planos de domínio do mundo, de contínua escravização das plebes? Ou querer-se-á que Guterres não passe de um Durão Barroso, um pau-mandado das grandes corporações e centros de decisão financeiros?

Que têm António José Seguro, Paulo Portas, José Sócrates, Leonor Beleza, José Pedro Aguiar-Branco, Luís Amado, José Manuel Durão Barroso, Paulo Rangel, António Costa, Pedro Santana Lopes, Rui Rio, Manuela Ferreira Leite, Marcelo Rebelo de Sousa, Luís Mira Amaral, Vítor Constâncio, Fernando Teixeira dos Santos e tantos outros pesos-pesados da política (e dos negócios) da lusa pátria em comum com António Guterres? Todos eles, a convite de Francisco Pinto Balsemão, já estiveram presentes em reuniões do clube Bilderberg.

"Ah!", exclamarão os meus prezados amigos, "não me vais dizer, ó Cruz, que também acreditas naquelas teorias da conspiração que ligam os senhores do Bilderberg à Nova Ordem Mundial, ao governo único à escala planetária?"

Não. Não acredito (ainda). Mas tampouco acredito na inocência de propósitos de tal agremiação. E nunca, nunca há almoços grátis, nem para Guterres, nem para Sócrates, nem para Costa. Os Rockefeller ou os Rothschild, se fossem relógios, nem horas davam quanto mais estadas em estâncias de luxo.

Oxalá me engane. Para bem do mundo. E, então sim, orgulho de Portugal. A estória de David contra Golias pode sempre repetir-se. É preciso ter fé.

Página do livro "O Clube Bilderberg", de Daniel Estulín

1 comentário:

Anónimo disse...

Com um Santo António em Alvalade
e outro na ONU...
ficas já a saber,
sou tão religioso como tu!