campanha orquestrada ou simples coincidência?




Vou tentar acreditar que tudo não passa de coincidência, que o recato familiar não se compadece com a visibilidade inerente às funções de Estado, que a Lolita é uma mulher de força e o marido um homem de inesgotável bondade. Vou crer em tudo. Até no Pai Natal, no Gato das Botas, na reencarnação, na Nossa Senhora da Conceição.

Comentários

Lufra disse…
Que nunca te aconteça nada semelhante, para continuares a acreditar no Pai Natal, no Gato das Botas e até democracia da Coreia do Norte.
Manuel Cruz disse…
De certeza que não me servirei disso seja para que fim for, muito menos político. Quanto à Coreia do Norte, quem é que lhe disse a si (a si e não a ti, repare bem) que eu tenho este país em boa conta?
Lufra disse…
Desculpe tem toda a razão.
Mas o seu comentário pareceu aproveitamento de uma doença, para atacar o ou os familiares, porque, não queira saber o são estas situações quando nos tocam a nós.
Ana Paula disse…
Lamento a doença da senhora, como de todos os que estão a morrer com cancro, mas do que aqui se trata é de aproveitamento político sem pudor - não por causa da senhora se apresentar assim (é a sua liberdade), mas por causa das capas sucessivas das revistas de donos de grupos de comunicação com interesses próprios em relação ao governo que mais lhes convém.
Até estarão no seu direito, dirão. Claro e ainda bem que isto não é jornalismo; é outra coisa qualquer manipulatória
mbs disse…
faltou ainda a Fada dos Dentes...

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

oxalá me engane!

chora, mariquinhas, chora