os filhos do querido líder: muatassim e saadi kadhafi

Clique para ler as biografias de mais dois filhos do ditador.
Saadi, 37 anos
Presidente da Federação Líbia de Futebol

O terceiro filho de Kadhafi tem um passado atribulado com a polícia, principalmente em Itália, devido ao abuso de drogas e álcool, além de ser adepto de grandes festas e de viajar muito para o estrangeiro – contra os conselhos do pai. Engenheiro, formado na Universidade de Trípoli, sempre quis ser futebolista e jogou nas duas principais equipas líbias até ser contratado, em 2003, pelo Perugia, clube da primeira divisão italiana – mas só jogou uma partida por ter sido apanhado num controlo antidoping. Passou depois para a Juventus, detida em 7,5% por um consórcio líbio, e acabou na Sampdoria sem nunca ter sido convocado para um jogo.

Em 2006 lançou um projecto para criar uma cidade semiautónoma (semelhante a Hong Kong) na fronteira com a Tunísia, um dos seus vários negócios – outro é uma produtora de filmes. Em Julho de 2010 foi condenado por um tribunal italiano a pagar 392 mil euros por, em 2007, ter saído sem pagar de um luxuoso hotel da Ligúria, onde passou um mês. Possui uma espécie de milícia e quando começaram os protestos, ocupou-se de esmagar a revolta em Benghazi, a cidade mais contestatária.

Muatassim, 36 anos
Conselheiro de Segurança Nacional

Segundo o embaixador sérvio em Trípoli, Muatassim “não é muito inteligente” e, entre 2001 e 2005, quando esteve fora do país, no Egipto (devido a uma disputa interna pelo poder), perdeu o controlo de muitos do seus negócios – os irmãos aproveitaram para fazer novas parcerias e garantir o controlo desses empreendimentos. De todos os irmãos, Muatassim será o mais leal ao pai e Kadhafi recompensou-o em 2010 com o cargo que hoje tem. Dois anos antes, o coronel Muatassim pediu ao pai mil milhões de euros para criar uma unidade militar de elite parecida com o 32.º batalhão do irmão mais novo, Khamis, que lidera a melhor força militar da Líbia: a Brigada Khamis. 

Em Abril de 2009, reuniu-se com a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, e na passagem do ano 2009 para 2010, na ilha de St. Barth, contratou a cantora Beyoncé por 1,5 milhões de euros para cantar na sua festa privada.


In SÁBADO online

Comentários

Mensagens populares deste blogue

sexo oral de olhos postos no céu