momento fútil


Não gosto da obra de Joana. E, fiquei a saber assim que deparei com esta fotografia, não gosto, definitivamente, das más companhias de Joana. E não gosto do gosto de Joana para se vestir. Estará mascarada de quê? Madeirense, em homenagem a Alberto João? De Rainha da Chita? De mulher de soba? Que sobra mulher, disso não há dúvida. Joana, qualquer dia, não cabe nas portas. Joana cresce à medida do seu ego. Nisso, no ego e não nos chumaços carnais, é igual ao acompanhante que, de artes e manhas, sabe da poda como poucos e poda é dizer pouco. O sapatinho à mete-nojo, a farfalheira a brotar-lhe da camisa, o casaco a marcar-lhe a anquinha estreita, a cuidadosa conjugação de cores, tudo, tudo denota classe, bom gosto, bon genre, um chiquê que nem eu, nem quando me quero armo ao pingarelho, consigo imitar. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

oxalá me engane!

o grande azar de pedro passos coelho