escurinhos somos todos nós

Andam por aí a pedir a cabeça de Arménio Carlos por ele se ter referido ao nefando Selassié do FMI como "o rei mago escurinho". Até já há quem o pinte, ao Arménio, com as cores, ou descores, do Klu-Klux-Klan. Que exagero. Num tempo em que Coelho e os seus patrões de roça nos tratam a todos como escravos, gente menor, carne para canhão e exportação, pagadores de impostos e pouco mais, agitam-se as almas politicamente correctas do nosso burgo, e as oportunistas também, por causa, se quiserem, de um deslize, um lapsus linguae, nem isso. Chamem-me racista, se quiserem, mas o homem é mesmo o mais escurinho dos elementos da troika. Tal como eu sou escurinho para padrões nórdicos. O que me indigna não é Arménio Carlos, é este desgoverno de lacaios dos negreiros do mundo, os barões do tráfico de reses humanas. O que me indigna é que os escurinhos e os deslavadinhos do FMI, da Alemanha, do BCE, nos considerem, nós portugueses, nós gregos, nós espanhóis, nós italianos, como raças inferiores, de povos dados à preguiça e ao dolce fare niente, desorganizados e esbanjadores.

Fotografia: António Cotrim/Lusa (http://www.tvi24.iol.pt)

Comentários

Anónimo disse…
Hipocrisia este tentar desviar a atenção de um comentário público de alguem que tinha a obrigação de não envergonhar o país. Não se justifica erros destes com os erros dos outros. Assumem-se, pede-se desculpa e sai-se de cena.
Anónimo disse…
quando vão perceber que o racismo que hoje temos é contra os brancos , será que moram todos em condomínios privados ? não andam de transportes ? nem por aí a pé ?

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

oxalá me engane!