as bacoradas do velho traste


O venerando Belmiro, mais discreto do que Soares dos Santos, o outro merceeiro da Nação, resolveu agora dar um ar da sua desgraça com a afirmação de que "sem mão de obra barata não há emprego".

Um dos homens mais ricos do País, que acumula riqueza à custa dos produtores e do seu pessoal, é mais um a mandar achas para a fogueira, a aumentar a clivagem entre os que sofrem com a crise e os que a atravessam como se nada fosse, aumentando a fortuna, surgindo na lista Forbes dos bandalhos mundiais e augurando, para Portugal, um destino de terceiro-mundo, com uma oligarquia rica e poderosa e uma multidão de escravos ao seu serviço, mal pagos mas agradecendo-lhes as migalhas.

O venerando Belmiro também se encarniçou contra "esse carnaval mais ou menos permanente de manifestações". Diz isto quem se esqueceu dos tempos em que andou mascarado de UDP.  O venerando Belmiro não precisa de máscaras. É o que é. Um vampiro. Que a terra lhe seja pesada quando chegar a sua hora porque, foi Jesus quem o disse, não será dele o reino dos Céus. E São Pedro não aceita luvas.

Fotografia: Nelson Garrido (http://www.publico.pt)

Comentários

Albertina Vaz disse…
É pena que não seja +possivel obrigá-lo a viver com os tais ordenados que ele acha muito altos

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

oxalá me engane!

o grande azar de pedro passos coelho