uma voz clara contra os embustes

Por Baptista-Bastos

Há quem diga por aí que a troika vai embora dentro de pouco tempo, parece que em Maio. Claro que a afirmação não passa de uma tosca fraude política. A tutela económico-financeira faz parte do todo ideológico com que a Direita europeia (leia-se Alemanha) tende a estender os seus tentáculos. Vai embora, estando, através dos meios, dos mecanismos e dos sicários que vão mantendo a situação. Aliás, o próprio primeiro-ministro já advertiu que as "dificuldades vão continuar" e que a austeridade é um processo longo. As "incongruências problemáticas", a frase imortal do jurista Pedro Lomba, constituem uma endemia nascida dessa incompatibilidade total entre o espírito de missão e o aventureirismo político, de que o próprio jurista Lomba é exemplo liminar. A recente "remodelação" governamental, além de ser uma farsa chilra, é a continuação do jardim-de-infância em que o poder se foi transformando. A manifesta falta de experiência de vida, a ausência de cultura democrática, a carência de leituras e o afastamento da reflexão em favor do tró-la-ró, espelham-se nas próprias frases descosidas e titubeantes dos escolhidos. Repete-se a evidência de que as "jotas" têm sido um manancial de ociosos espevitados que vai "formar" o grosso dos sucessivos governos.

O ano não promete nada de bom. E Paulo Portas, esfuziante de injustificado regozijo, garante que estamos no melhor dos mundos, amparando a aldrabice que Passos Coelho propaga, e a que, inevitavelmente, será chamado a responder. Detesto escrever sobre o mal, a arteirice, a incompetência e o oportunismo. Mas eles aí estão e são as evidências do nosso infortúnio. Lamento é que a esmagadora maioria dos preopinantes na Imprensa, nas rádios e nas televisões vivam de um precaucionismo colaborante, que os encharca de nojo e de vilipêndio. As técnicas de sedução pelo dinheiro e pelo favor têm resultado, lamentavelmente. E é com desolação que assisto às quebras de compromisso moral, com que jornalistas, comentadores e afins soçobram, a troco do estipêndio ou de uma falaciosa por efémera "consideração" do poder.

Mas nem tudo está definitivamente perdido. De vez em quando lá surge uma voz esparsa a contestar as mentiras com que esta gentalha enreda o País. Ainda na quarta-feira, no programa Opinião Pública, da SIC Notícias, o filósofo José Gil, reprovou, com serena veemência, o Executivo e as políticas que têm levado o País ao descalabro. José Gil é um dos mais respeitados intelectuais portugueses, indicado como um dos maiores filósofos europeus e uma das pessoas que não se desvia das responsabilidades inerentes à proeminência do seu estatuto. Ouviu, com manifesta atenção, o que os teleouvintes diziam e, seguidamente, com extrema clareza e um domínio absoluto do pensamento, esclarecia e comentava as opiniões, não deixando nunca de as conectar com a realidade presente. Um grande momento de televisão, sobretudo devido a um intelectual que nunca foi atrás do canto das sereias. Pena é que José Gil não seja mais vezes chamado a participar nos debates sobre o País. José Gil resgata, com grandeza e extrema imperturbabilidade, o silêncio onde a cultura portuguesa se tem resguardado, com cautela a cobardia. Há semanas, na TVI, num programa de Paulo Magalhães, ele foi o desassombro que desassossegou a mansa quietude dos conformados e resignados. Ouvi-o, agora e de novo, com Marta Atalaya, na SIC Notícias, foi um regalo de inteligência e de pedagogia. A antagonizar-se com os peralvilhas habituais que nada dizem, mas dizem-no com a soberba de quem sabe estar no púlpito. Gil arriscou a opinião e, ao fazê-lo, formou opiniões, facto cada vez mais raro nos meios de comunicação portugueses. Uma voz clara e firme contra os embustes e as omissões que por aí circulam.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

a assunção da canalhice

oxalá me engane!