refutação ao tempo

Por Baptista-Bastos
http://www.dn.pt

Meu Dilecto: 

É verdade que, por vezes, sou tocado por funesta tristeza. E penso que a minha prosa devia, talvez, ser levada para paragens mais alegres. Mas a época é pesada e trágica, não gosto do que vejo e sinto, e, mesmo com o apoio dos meus eventuais merecimentos, soçobro na melancolia. As forças que me confrontam possuem, actualmente um poder ilustrativo do meu descontentamento e das minhas decepções. Mas não desisto. Venho de longe, do desafio de todas as lutas, dos escombros de todas as derrotas e do recomeço de todos os combates. Sei que a frase comporta, em si, algo de bravata, porém as coisas foram assim, e o riso dos enfatuados possui algo de indecoroso.

Meu Dilecto:

A prova de que estes, os de agora, não venceram, ao contrário do que julgam e proclamam, é a sanha persecutória com que agem. Tentam apagar os nossos símbolos, desprezar o nosso património moral, passar ao lado dos nossos castelos, escarnecer das nossas bandeiras. A história do que têm feito resulta num rasto de sangue, de miséria e de afronta à condição humana. "As direitas sempre se uniram para o mal", escreveu Maurice Merleau-Ponty (Humanisme et Terreur), que temos a obrigação de recuperar do silêncio e das sombras com que o envolveram. A desilusão que o grande filósofo sofreu, posteriormente, não obriga a que o projectemos no limbo. E essa desilusão possui algo de trágico porque configura parte das nossas decepções actuais. Não vale a pena chorar no leite derramado, dizem. Mas calar as incertezas do conflito e a decência de uma luta constantemente desigual constituiria a abdicação da nossa ética. Ter passado é conter lastro, haver história, retribuir ao tempo o que o tempo nos prometeu. Estes biltres que nos governam nada respeitam, nem, sobretudo, o papel dos sentimentos e das emoções, esvaziando de sentido o princípio democrático, para o preencher com negócios, com a adulteração do conceito de «legalidade» substituindo-o por um autoritarismo fascista.

Meu Dilecto:

Quando um primeiro-ministro, este, diz que os reformados já receberam mais do que as verbas por eles descontadas, a frase deixa de constituir uma questão semântica para configurar a mais desprezível vilania. Este homem não é digno de nos representar, em circunstância alguma. Mas ele vai passar, deixando um traço de ignomínia e uma soma de vergonhas morais, a começar pelas suas mentiras, continuando pela sua frondosa incompetência e terminando na leviandade dos juízos. É um subalterno. A voz não lhe pertence, as ideias são de outros.

Meu Dilecto:

O que esta gente nos trouxe de miséria, de descrença, de desapontamento, de fome de ser e de angústia de não podermos estar, comporta um peso, uma culpa inaudita na nossa história recente. Contudo, estamos aqui, para o que der e vier. Até já!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

oxalá me engane!