os nomes dos pobres

Por Inês Pedrosa

Há nomes que abrem portas, outros que as fecham. À face da lei somos todos iguais, mas à face da vida, neste pequeno e velhíssimo país, os poderosos estão sempre primeiro. Aliás, a própria lei mantém notas de desigualdade, como essa que declara a honra do Presidente da República superior à de qualquer um de nós.

Os neoliberais lusitanos enchem a boca com o mérito mas continuam a vergar a espinha às cunhas e ao cruzamento dos interesses das ‘famílias’, um círculo que se ampliou nos últimos quarenta anos para incluir os novos poderes e algumas novas fortunas, mas que nunca chegou a democratizar-se.

No auge da austeridade, as coisas não deixaram de ser assim, pelo contrário: as ‘famílias’ defendem-se e tratam dos seus interesses; se for preciso mesmo alguém que trabalhe, há-de encontrar-se um zé-ninguém com as tais qualidades laborais, ao qual se pagará metade, exigindo-se-lhe o dobro do que aos ‘da família’, e que ocupe o lugar de bode expiatório, sempre que os rebentos familiares falharem.

Quando se fala em novas formas de família ou em famílias homossexuais, os defensores da ordem estabelecida tremem e bradam contra a pressão dos lóbis, temendo que a distribuição de poder deixe de ser controlada pelos lóbis tradicionais. É sempre disto que se trata.

Agora pretende o Governo publicitar a lista dos nomes dos que moram em habitação social. A bem da transparência, dizem – e muita gente aplaude, alegando que há ricos a viver em casas pagas pelo erário público.

Se assim for, é obrigação do Governo detectar esses casos de abuso e corrigi-los; não vejo para que serve a divulgação da lista dos supostos carenciados, a não ser para humilhar os pobres e desviar contra eles o espírito de vingança, fértil nas sociedades de castas, como ainda é a portuguesa.

Pergunto-me quantos moradores em bairros de luxo não alcançaram a riqueza através da gestão danosa de dinheiros públicos.

Se a publicitação da lista dos pobres avançar – espero que a Comissão Nacional de Protecção de Dados não o permita – ,teremos de pedir a lista dos mais ricos dos ricos, com discriminação dos seus proventos.

Claro que essa lista é impossível de fazer, porque os ricos, ao contrário dos pobres, sabem proteger-se: têm as contas em nome dos filhos ou em países discretos, e um séquito de assessores jurídicos e financeiros para os auxiliarem a viver sem problemas nos interstícios da lei. E têm as famílias, claro, que são todas amigas umas das outras.

Os pobres nunca mereceram respeito. Os médicos dos centros de saúde tratam-nos por tu, como crianças.

Esta proposta de lei que o governo pretende aprovar colocar-lhes-ia na lapela a estrela da pobreza, a pretexto da moral. A moral inventou-se para consumo dos pobres. Cabe aos que nada têm serem bonzinhos e honrados, sob pena de cair sobre eles a mão da Justiça, sempre lenta e cariciosa com os senhores.

Inventem a moral a partir de cima, façam favor. Já basta de intimidação à arraia-miúda.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

oxalá me engane!

chora, mariquinhas, chora