comam chocolates

Por Ana Cristina Leonardo
http://wwwmeditacaonapastelaria.blogspot.pt/

O povo habituara-se a ostras. Com a crise, as ostras estavam pela hora da morte e todas as diligências esbarravam na inflexibilidade de Hollande: “Impossível baixar preço moluscos. Disponíveis brioches baratos”. O MNE declinou a oferta. Em telegrama oficial, citou Álvaro Santos Pereira e a qualidade superior das nossas bolas-de-berlim. Os franceses, letrados e mulherengos, confundiram o Álvaro com Álvaro e ficaram-se por respeito a Ofélia. Foi quando começou a chover. 

Assunção, a caminho do Conselho de Ministros, agradeceu a Deus e abriu o guarda-chuva. À chegada cruzou-se com Relvas, vindo do Rio onde passara o fim do ano à cata do conhecimento permanente. “Bela gravata!”, comentou ao passar o engripado Paulo Macedo. Gaspar já lá estava, jogando batalha naval numa folha de Excel, longe do olhar de Portas não fosse este susceptibilizar-se e convocar uma conferência de imprensa de apoio ao governo. Pedro pousou o livro sobre Salazar e falou na sua voz de barítono: “Se em 1935 beber vinho era dar de comer a um milhão de portugueses, em 2013 um só copo de leite há-de dar mais de 25% daquilo que precisamos por dia de cálcio”. 

Mas a frase era fraca, nem sequer rimava. Um assessor propôs que contratassem Graça Moura. Ao lembraram-lhe que o poeta os mandara assoar ao guardanapo, o assessor suicidou-se politicamente. Com menos um à mesa, a dieta nacional era adiada para depois do almoço. 

Como entrada, uma das ostrinhas de Alice recitou Bocage: “Estando enfermo um poeta/ Foi visitá-lo um doutor/ E em rigorosa dieta/ Logo, logo o mandou pôr/ ‘Regule-se, coma pouco’/ Diz-lhe o médico eminente/ ‘Ai senhor! (acode o louco)/ Por isso é que estou doente.” 
Gabaram-lhe o wit e depois comeram-na.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

oxalá me engane!

o grande azar de pedro passos coelho