o elogio da responsabilidade


Acho uma certa graça - moderada porém, que a vida não está para risos -, aos que distinguem o PS dos partidos à sua esquerda, apelidando-o de oposição responsável, inferindo-se daqui que os outros serão irresponsáveis.

Deduz-se também que os partidos agora e em má hora no poder são igualmente responsáveis.

Eu acho que têm razão. Tanto o PS como o PSD e o CDS têm sido bastante responsáveis. Por submarinos, bancos falidos, auto-estradas para nenhures, negociatas obscuras, PPP's, swaps, distribuição de cargos pelas clientelas, favores, má gestão, corrupção, esbanjamento. Chega para lhes avaliar o grau de responsabilidade? Ou ainda não?

Quanto aos outros, esses que acham que é possível governar de forma diferente, com justiça social, com solidariedade, esses que com erros certamente, que com ovelhas ronhosas, não tenho dúvidas, rejeitariam a ditadura dos mercados, a desumanização, a pobreza, esses são os irresponsáveis. Porque, com eles, aumentariam as despesas com a Educação, a Saúde, as Prestações Sociais, os donos do País roubariam menos, aos Bancos, essas eternas vítimas, seriam recusadas mais ajudas do Estado para, coitados, poderem continuar a lucrar, as taxas de juro dos empréstimos internacionais aumentariam vertiginosamente, as sanções dos países "democráticos" mirrar-nos-iam, a União Europeia expulsar-nos-ia, a América invadir-nos-ia de espiões e conspiradores, a Alemanha ameaçar-nos-ia com balas e sanções e as facções políticas dos responsáveis mais à direita rechaçar-nos-iam à bomba.

Seria ou não seria uma irresponsabilidade, da nossa parte, fazer com que todas estas desgraças nos acontecessem? Mais vale perpetuar os responsáveis no poder. Eles governar-nos-ão com responsabilidade. E nós, mais pobres, mais amarfanhados, mais desprezados pelas elites da Nação, poderemos continuar a dormir descansados.

Teremos sempre, até que a morte nos separe, gente responsável a zelar por nós.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

a assunção da canalhice

oxalá me engane!