a embaixada inútil

Por Baptista-Bastos
http://www.dn.pt

De viagem por Cabo Verde, aonde foi com uma luzida corte de parceiros de Governo, o dr. Passos Coelho passeou, durante quinze minutos, pelas ruas do Mindelo. Conversou animadamente com a população, afagou uns meninos e ficou todo contente quando uma miúda, a uma pergunta sua, disse-lhe o nome. Pedro, é isso mesmo. Rejubilou. Foi quando um jornalista, candidamente, o interrogou sobre há quanto tempo não fazia o mesmo em Portugal. Momento embaraçoso por um lado, e patético por outro. O pobre Passos, sem pudor nem escrúpulo por atropelar a verdade, retorquiu: mas eu ando sempre na rua, com uns e com outros. Uns e outros devem ser os batalhões de guarda-costas, que o seguem diligentes e, amiúde, particularmente agressivos.

O homem não tem emenda e, além de estar a milhas para servir de exemplo a coisa alguma, é o responsável do nosso infortúnio. Foi a Cabo Verde em negócios, como vai sendo comum. Aquele país, povoado por gente admirável, é um alfobre de cultura, que produziu gente como Baltazar Lopes, Ovídio Martins, Arnaldo França, Corsino Fortes, Manuel Lopes, ou o Manuel Ferreira, de Hora di Bai, e desse extraordinário Voz de Prisão. Uma terra que tem gerado grandes músicos e grandes cantores - não mereceu, nesse aspecto, aos nossos governantes, uma atenção especial e devida. É pena. Os laços culturais entre os dois povos estabeleceram-se numa relação de que o Brasil foi intermediário. O movimento "claridoso", reunido em torno da revista Claridade, reencarnou-se nas experiências de Jorge Amado e de Graciliano Ramos, mas, também, no neo--realismo português. Nomes como Mário Dionísio, Joaquim Namorado, Redol, Manuel da Fonseca e Carlos de Oliveira eram, e são, conhecidos no mundo cultural caboverdeano.

Creio que Pedro Passos Coelho transporta, neste capítulo, uma ignorância comovente. E se, com o vistoso grupo de companheiros de Governo, tivesse levado na viagem dois ou três escritores, dois ou três músicos, a campanha teria outro luzimento e objectivos mais sólidos.

Infelizmente, porém, o primeiro--ministro é mais propenso aos números do que aos enfados do conhecimento geral. De contrário, saberia que a identidade social, moral, ética e estética de Cabo Verde tem mais a ver com a consistência cultural do que com a incerteza e a fluidez da economia. Houve políticos portugueses, como Soares ou Sampaio, que entenderam as diferenças fundamentais. Mas o triste advento do dr. Cavaco alterou o fio condutor dessa experiência. Uma interrupção de dez anos, que correspondem à década durante a qual o algarvio foi primeiro-ministro foi, demonstradamente, calamitosa. E nem Guterres nem Durão Barroso, homens medianamente lidos, colmataram o vazio pesaroso e dramático. Esta memória para dizer que a embaixada a Cabo Verde foi supérflua, e apenas serviu para Passos passear sem gorilas.

Fotografia: http://www.abola.pt

Comentários

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

oxalá me engane!