as crianças não têm fome, diz jonet, são carências, meras carências



Chamem-lhe fome, chamem-lhe carências, chamem-lhe o que quiserem, mas é insuportável a dor de uma mãe que não pode dar de comer aos seus filhos, dar-lhes um mimo pelo Natal, avistar-lhes um sorriso de felicidade.

Jonet não sabe o que é sofrer assim, mas sabe o que é botar faladura sem razão nem tino. Em nome da caridade, essa megera decrépita dos chás-canasta e das quermesses. Eis o regresso da velha senhora e a um passado infame. 

Saiu Supico Pinto. Entra Jonet. Palminhas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

oxalá me engane!

o grande azar de pedro passos coelho