os coelhinhos, tão engraçados, são tão pobrezinhos, os desgraçados


Em nome da boa saúde das empresas, Coelho acha uma insensatez que se aumente nesta altura o valor do salário mínimo (esquecendo-se que, sem rendimentos, as famílias não podem consumir, sem consumir as empresas não vendem, se não vendem vão à falência, mas essa é outra conversa, porque Coelho aposta forte e feio nas exportações, a partir de agora exportaremos tudo, parafusos, porcas e dobradiças, minérios e cortiças, baldes de plástico e esfregonas, batatas e hortaliças, azeite e alho, galos de Barcelos e até, como se sabe, carne humana da mais alta qualidade aos preços mais competitivos). 

Proponho a Coelho o que para Coelho é impensável: que a família Coelho viva, durante um ano, com menos de 500 euros por mês. É claro que a família Coelho contará com muitas ajudas, sem precisar de recorrer à sopa dos pobres nem de estender a mão à caridade. Se quiser, tem casa paga e não é uma casa qualquer, é um palacete com todos os confortos e toda a criadagem, serviçais atentos, veneradores e obrigados que também não precisará de pagar. Em trabalho, se é que se pode chamar trabalho ao trabalho que o trambolho faz, Coelho tem a maior parte das refeições à borla, regadas por vinhos, como se costuma dizer, das melhores proveniências. Não precisa igualmente de se preocupar com o passe social, o preço da gasolina, a manutenção da viatura, os seguros, o imposto de circulação, porque tudo isso o Estado lhe providenciará de mão beijada. Não tem que se atormentar com as contas da água, do gás, da electricidade, com a certeza de que alguém as pagará, e esse alguém somos todos nós, parvos que somos. Mesmo assim, com todas estas alcavalas e ajudas de custo, gostava de ver a família Coelho a viver com menos de 500 euros por mês, durante 12 meses inteirinhos. Fartava-me de rir. Sentir-me-ia vingado. Mas isso nunca vai acontecer. Posso tirar os cavalinhos da chuva e guardar os arreios. As bestas continuarão à rédea solta. A escoicinhar no pagode.

Fotografia: http://www.lux.iol.pt

Comentários

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

oxalá me engane!