figuras de estilo e figura de urso

http://www.publico.pt
Por Ferreira Fernandes

Pode sobrar-nos mês depois do ordenado, mas não nos faltam figuras de estilo. O ministro Pires de Lima lançou um eufemismo. Vocês sabem, aquela conversa suave para atenuar uma verdade catastrófica, tipo "entregar a alma ao criador" em vez de esticar o pernil. Ele não podia falar de novo resgate para um público já farto de ser refém. Então, dourou a pílula e falou de "programa cautelar". Parece caldo de galinha, não faz mal a ninguém... Em todo o caso, um belo eufemismo. Ao mesmo tempo, um grupo fez uma manifestação em Lisboa dizendo-se de apoio à troika. À partida, manifestar contentamento por se albardar o País à vontade da burra (a troika, comprovadamente incapaz) parecia masoquismo, mas não, não era nenhum distúrbio psíquico, era outra figura de estilo. Desta vez, ironia. Coisa bem difícil de fazer e por isso geralmente só utilizada, fininha, por queirosianos de boquilha e chapéu alto. Ver a ironia trazida para rua e por gente irada foi das poucas coisas boas que a crise nos trouxe. Sendo contra, diziam-se por, havia cartazes ("Abaixo as reformas" e "Vamos trabalhar mais"), gritos ("Acabou a mama") e discursos louvando "os nosso credores fofinhos internacionais"... Provavelmente o eufemismo do ministro e a ironia da manifestação não levam a nada, mas, pelo menos, preocuparam--se com o estilo. Bem melhor do que a figura de urso de Paulo Portas que fez esta frase rasa e indigna: "Os mais pobres não se manifestam."

Comentários

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

oxalá me engane!