ouviram todos, portugueses?

Por José Simões

O primeiro-ministro acha inaceitável a indulgência perante a irresponsabilidade. O primeiro-ministro também acha indesculpável uma sociedade política que não tem inteligência e exigência para cobrar a quem governa os resultados que são importantes para o país. O primeiro-ministro ri-se na cara dos portugueses e chama burros a todos os que o elegeram. E se calhar com razão.

O primeiro-ministro da Tecnoforma e do Governo, eleito pelos portugueses, para as grandes empresas à sombra do Estado, também acha que o Estado não pode ficar a pagar eternamente para fazer o que não é preciso. O primeiro-ministro disse que “em pequenino não conta”, já tratámos da nossa vidinha, e da vidinha dos nossos amigos, a partir de agora começamos no ponto zero e tratamos da vossa vidinha, sociedade sem inteligência nem exigência.

Sejamos realistas, extraordinariamente fantástico é a capacidade que o senhor primeiro-ministro tem para fazer discursos onde, alegadamente, critica terceiros, causadores de todos os males da Pátria antes da sua chegada messiânica ao governo da Nação, recorrendo a todo o tipo de argumentos que podem, e devem, ser usados para desmontar a sua governação.

Como na anedota das putas, "chama-lhes filha! antes que elas te chamem a ti".

Comentários

O coelho limita-se a cumprir ordens dos seus mestres, com o objectivo de salvaguardar o sue futuro... ele toda a corja que orbita os partidos políticos.

http://mocosdaazambuja.blogspot.pt/2013/07/quem-sao-os-nossos-donos.html

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

oxalá me engane!

chora, mariquinhas, chora