a vaca que é rica e a viúva do banqueiro

Por Ferreira Fernandes

Este Governo tem uma fixação pelo retrovisor. Se um governante diz "é irrevogável!", logo engrena a marcha atrás. Se dos governantes esperamos o "princípio da não retroatividade", logo nos atropelam às arrecuas... Este Governo pode ter muitos problemas de mecânica, mas com ele a marcha atrás não custa a entrar. Ela funciona bem, como repararam, mas ao arrepio das palavras. Por isso é preciso ler o Governo com números. Defina-se pobrezinho: 419. Está lá , no Indexante dos Apoios Sociais: o limiar da pobreza é 419 euros por mês. Ganhas isso, não te tocam, não se bate num 419 no chão. Os 419 trabalham - sem o saber (e sem ganhar um chavo, só ficam isentos de pancadas suplementares) - para o Governo. Servem para fazer a conta mágica. Multiplicados por 1,5, um 419 dá (quase) 629. Um pobrezinho e meio igual a uma vaca. Defina-se uma vaca: um pobrezinho e meio, já bom para ordenhar e ser retalhado, dar leite e carne, e ainda a pele para tapetes. O Governo está-se nas tintas para as parcelas da operação, só lhe interessa o resultado mítico: 629! A vaca que é rica. A partir do fantástico número é só faturar. Este Governo, além da marcha atrás, é bom na tentativa de nos convencer. Para nos convencer, o Governo tem um argumento tremendo: a viúva do banqueiro. A que acumula pensões de sobrevivência gordas e cintilantes. A viúva do banqueiro nunca fez nada na vida. Faz agora: convence-nos que a vaca 629 tem de levar na cornadura.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

oxalá me engane!

o grande azar de pedro passos coelho