portugal, o suculento bife dos mercados


Quando me dizem que, se estamos como estamos, é porque andámos a viver acima das nossas possibilidades, dão-me vómitos, cefaleias, brotoeja. Quando nos obrigam a pagar a crise provocada por outros, as instituições financeiras que mais não são do que cóis de malfeitores, dá-me nojo, raiva, ódio. Os portugueses sempre estiveram entre os que, na Europa comunitária (boa comunidade, esta!) menores salários auferem. A desigualdade entre ricos e pobres toca, em Portugal, as raias do escândalo. No entanto, quando chega a hora de apertos, quando os bancos ficaram na merda que eles próprios criaram, quem paga? Quem não teve nada a ver com isso. Quem nunca alinhou na corrupção. Quem sempre viveu do seu trabalho. Quem cumpre a palavra dada. Quem honra os seus compromissos. Quem, com esforços por vezes titânicos, tenta libertar-se da pobreza e assegurar, aos filhos, um futuro melhor.

Para os mercados, Portugal é um bife suculento. E as regateiras de serviço tudo têm feito para o cozinhar a preceito, com muitas "gorduras", as nossas, com muito sal, o do nosso mau viver. Vivemos, há mais de dois anos, entre a espada e a parede, com a corda na garganta. Somos alvos de chantagem, de roubos, de abusos, de estupro, não poupemos as palavras.

É hora de agir. É hora do Sul da Europa se aliar contra a Europa do Norte, a que nos chama PIGGS, a que nos diz desorganizados e calaceiros, a que mais tem enriquecido à conta da crise, a que olha para nós como raças menores, de menor inteligência e força de vontade.

Estamos em crise, sim. E não é só económica. É de valores também. Nunca pensei que, nalgum dia da minha vida, pudesse alguma vez assistir a tanta miséria moral, tanta ganância, tanta abjecção por parte de quem manda e tanto conformismo e inacção por parte de quem obedece, tantas vezes revoltado mas sempre, quase sempre calado.

Veja-se o que aconteceu nas eleições autárquicas. Não deveria a dupla CDS/PPD ter desaparecido do mapa? Não foi isso que aconteceu. A derrota que sofreram foi pequena para tanto crime contra os portugueses, tanta mentira, tanto truque mesquinho, tanta extorsão, tanto menosprezo por um povo que não merecia nada disto. Que não merecia nem Passos nem Cavaco, nem Portas nem os lambe-botas que, pelos jornais, pela comunicação social, alimentam, encorajam a besta fera.

Se querem bife, o governo e os mercados, alimentem-se de vacas gordas, há-as pela Alemanha com fartura a começar pela sucessora de Hitler. Por aqui, a teta ressequiu. Acabou-se a mama. Vão bifar para o inferno, a pata que os pôs, o raio que os parta.

Imagem: http://www.revistarubra.org

Comentários

Mensagens populares deste blogue

defendamos a honra, porra!

oxalá me engane!